segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

O bem amado


O mar é grande e cabe na cama e no colchão de amar. (Drummond)


Ela olha para mim e se queixa. Diz que eu a dispenso e a troco por um colchão. O que fazer se o colchão sabe cantar músicas de ninar e ela insiste que eu fique acordado ?

Meu colchão, todas as noites, me chama com promessas de sonhos. É verdade que eu nunca consigo me lembrar de nenhum deles, mas certamente eles acontecem o que deixa meu amigo de quarto com mais razão ainda.

Além disso, ele tem a densidade ideal para a minha coluna, o que me permite um um estilo de vida mais saudável. Ele se amolda ao corpo como ninguém até hoje fez. O material possui grande resistência às deformações (fundamentais no meus caso) e promove uma leve pressão em direção ao corpo, o que permite um melhor fluxo de circulação sangüínea durante o sono. Gostaria de entender melhor o que o meu sangue fica fazendo a noite toda, circulando por aí, mas isso é outra história.

O bichinho é ecológicamente correto (bem diferente do travesseiro que me acompanha há anos, de penas de ganso) e feito com fibras de bambu, o que nunca me permitiu adotar um koala como animal de estimação.

Ele é um fresco. Não tomem minha afirmação como ofensiva, é que o fabricante jura de pés juntos que o bambu é mais permeável e, portanto, ventila melhor. Nunca consegui fazer o teste. Naqueles dias que o calor apavora, eu suo do mesmo jeito.

Para completar a oitava maravilha do mundo moderno, meu amigo é hipoalergênico (bonita palavra, não é mesmo ?) e afasta fungos, micróbios e ácaros. Eu sou um menino limpinho e adorei esse recurso.

Com todas essas qualidades, não há como resistir ao seu cotidiano chamado noturno. Mesmo quando ela se vira para o lado e murmura alguns desaforos.

7 comentários:

Taty disse...

Quero sua cama!

Cristiana Soares disse...

Se eu fosse dispensada em troca de um colchão, também não ficaria nada feliz.

Quer um conselho? Preocupe-se mais com os apelos da patroa do que com a sua coluna... isso se vc quer continuar casado com ela (a patroa)...

E o que ela está querendo, com certeza, fará maravilhas para o seu corpo todo... até o suor valerá mais a pena...

Vilma disse...

Colchão numa segunda feira... é tudo que estou precisando, nem precisa ser tão limpinho e eficiente assim, meu cansaço dá conta das imperfeições...

Lou Mello disse...

Era esse que eu queria comentar. Isso é o que dá, dormir mal em travesseiro ruim.
Tudo bem com o colchão. Agora o travesseiro me incomodou. Desde que deixei São Paulo (infelizmente) há dez anos, procuro um travesseiro legítimo de penas de ganso e nada. Com essa bobagem toda de preservação ambiental, nunca mais consegui um sono 100%. Acho que um gansinho não fará diferença alguma para amenizar a causa norte-americana pró-amazônia nossa (deles, no caso). E eu poderia dormir tranquilo o resto dos meus dias.

malmal disse...

isso tudo me lembrou muito a propaganda do Mastercard...

colchão de sei lá o que...tantos reais
travesseiro de plumas de aves mortas.. mais tantos reais
lençóis de algodão egípcio de 180 fios sem procedência garantida, vão-se mais tantos reais...

a satisfação da mulher amada...
ah!!!! isso não tem preço...

bijokas gargalhadas

Bel disse...

Bobeira sua pensar mais no colchão do que nela. Mas cada um sabe de si, né?

Anônimo disse...

Meu colchão, certamente, tem suas memórias, mas meu travesseiro tinha alguns sonhos e muitos pesadelos.
Troquei, recentemente, de travesseiro...
Um tb bem fresquinho, me venderam como sendo O Travesseiro dos Astronautas.
Creio que o vendedor viu minha vontade de ir para lua, para as estrelas, para as nuvens...
Espero que eu possa repousar tranquilamente minha cabeça e ter novos e bons sonhos.