domingo, 23 de agosto de 2009

Será de Beni, o dito ?

Rosalinda chamou a ancila e ordenou que lhe tirasse a anfiderme que se formava junto ao astrágalo.

Quando chegou, trajando seu saial, a serva trazia na cesta a almácega em um maço de aramina.

Ouvia-se o chape que a setia fazia na lagena.

Rosalinda fretenia como se estivesse numa nemoral.

Pediu que o esbirro lhe trouxesse verdéias de enanto o que, libente, ele prontamente o fez.

No meio da práxis, a empregada provocou um cortil com a ascuma.

Uma sépala destacou-se do retábulo de Rosalinda que proferiu uma sinérese de ataraú.

A moça, que não era dada a escurrilidades, percebeu o furor nemésico da patroa e saiu da popina num tropel.

Quando, finalmente, Rosalinda ficou mais lene, acostou no canevas e, recordando a farândola dos seus ancestres concluiu que tudo não passara de um telurismo anomalotrópico.

BENEDITO (BENI) AUGUSTO CARVALHO DOS SANTOS (1886-1959)Nascido em Aracati, bacharelou-se na Faculdade de Direito do Recife em 1911, tendo sido, professor da Faculdade de Direito do Ceará. No Exército, atingiu o posto de general. Foi vice-presidente, Deputado Federal e Interventor Federal no Ceará (1945-1946). Foi fundador da Academia Brasileira de Filologia.

Um comentário:

Vilma Mello disse...

Já lhe acorreu criar seu próprio dicionário?

beijo