segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Ah, esse maldito fecho éclair


O fecho éclair, mais popularmente conhecido no Brasil como zíper foi inventado em 1723 pelo Barão de Fermature, um dos assessores políticos do Rei Luís XIX, quando passava as férias de verão junto à corte nas montanhas de Éclair, nos Apeninos belgas.

Fermature se dedicou ao assunto para resolver um problema íntimo e pessoal. Amante da rainha Serafina, sabia do destino dos seus amantes anteriores que haviam sido pegos em flagrante tentando fechar os 128 botões do espartilho da soberana. Nenhum deles conseguiu fazê-lo antes da chegada da guarda real e morreram decapitados.

Começou fazendo tentativa com tecido, mas nenhum era suficientemente rígido para permitir o deslizamente do puxador. Passou a testar arames, mas esse não duravam mais que duas ou três fechadas e começavam a quebrar. Demorou um pouco para chegar numa liga metálica que fosse, ao mesmo tempo, sólida o suficiente para resistir aos constantes movimentos, e leve para não impedir o deslizamento.

Finalmente conseguiu criar um um engenhoso sistema de ganchos e colchetes com uma engenhoca deslizante para fechar e abrir. Foi favorecido pela invenção, quase simultânea, de um conterrâneo seu, o Sr. Javais de Vaseline.

Quando apresentou sua invenção à corte foi aclamado pelas camareiras das damas, ainda que algumas temessem pela redução de empregos na categoria.

Não demorou muito, a sua invenção passou também a ser usada nas calças masculinas, ainda que, nos seus primórdios tenha gerado alguns acidentes pubianos, uma vez que as cuecas ainda não tinham sido inventadas.

Após a queda da Castilha o invento de Fermature caiu em desgraça e só foi ressurgir no século seguinte quando os fabricantes de malas de viagem perceberam seus benefícios.

A invenção do velcro, um tipo de ziper que faz barulho na entrada mas é silencioso na saída. só foi acontecer anos depois no interior da Finlândia, mas isso já é uma outra história

3 comentários:

Vilma Mello disse...

128 botões é um bom motivo para uma invenção...

beijos de terça

clau disse...

Nossa mae...
Uma peripécia digna do Barao de Munchausen!Do qual eu fico lhe devendo os ".." do nome.rss
Pq todo esta aura de perigo torna aquilo que hoje seria uma banalidade, uma viagem de aventuras de tirar o folego!
Hihihi.
Boa semana, Fabio!
Bjs!

Rubinho Osório disse...

Como esse blogue é bão!!! Além de curtura, aumenta o nosso conhecimento da história universar. Incrusive me deu uma baita vontade de conhecer os Apeninos belgas. Devem se lindos!!!