sábado, 18 de julho de 2009

Sem pomelo

De vez em quando todos nós temos desejos. Apesar da lenda, esses não se limitam à mulheres grávidas. Eles podem ser isolados ou recorrentes.

Eu tenho um que é recorrente e, apesar de nem sempre ter a oportunidade de satisfazê-lo, quando o faço nunca me arrependo, que é o de beber suco de pomelo.

O pomelo (Citrus maxima) é uma fruta que vegeta e produz em regiões das mais variadas condições ecológicas, ou seja, é possível consumí-lo em latitudes variadas, mas os melhores são os procedentes das Astúrias.

Os frutos podem ser consumidos ao natural, com seu sabor inigualável ou em sucos que conseguem extrair o que há de mais essencial deles.

O pomelo combina a forma de uma laranja grande e a cor amarela de um limão, ainda que também existam variedades de cor verde, semelhante à pele de uma lima. Eu, particularmente, não tenho nenhum interesse nessa variedade de cores. Sou um purista e só gosto dos amarelos, os demais não me seduzem.

A tonalidade de sua polpa é variada e atrativa e vai do amarelo ao roxo, passando pelo alaranjado. Imagino que isso tenha alguma relação com o estado de espírito do pomeleiro.

Mas um fator importante é que esta polpa é rica em carotenóides, pigmentos que lhe conferem a cor alaranjado-arroxeado, especialmente nas extremidades.

Os carotenóides destacam-se no campo da nutrição por sua função antioxidante, e consequentemente, fazem muito bem para o coração.

Além dos carotenóides, o pomelo também é, como os demais citros, rico em vitamina C, que possui funções importantes em nosso organismo, entre as quais o fortalecimento do sistema imunológico e da resistência física, como se fosse uma forma alternativa de ginástica.

O pomelo possui um sabor menos doce que o da laranja, menos ácido que o do limão e algo de amargo, o que não significa que produza alguma amargura, mas que lhe confere particularidades que lhe são únicas.

Deve sempre ser consumido fresco, o que, aliás é certamente a melhor forma de aproveitar o seu sabor. Não recomendo fazer estoque da fruta, pois em cada colheita ela surpreende com efeitos que não tinha percebido antes.

Hoje eu vou dormir sem suco de pomelo, é uma pena, mas na minha primeira oportunidade, vou atrás dele.

5 comentários:

Anônimo disse...

Eu já tive vontade de comer telha...

Beijos

Vilma

Bel disse...

Eu confesso: Fui no Pai Google pra conferir se o tal Pomelo existia, já achando que era mais uma pegadinha sua. Qual não oi minha surpresa ao descobrir que maior que o nível de suas piadinhas é a minha ignorância frutológica (entendeu o que significa, não entendeu?) e que o tal pomelo existe mesmo.

Nunca vi, nem experimentei o suco, mas como não tenho medo do novo, da primeira vez que tiver oportunidade experimento!

clau disse...

Por aqui consumimos MUITO o pompelmo, ou grapefruit, que é o parente que seria o que mais se assemelharia ao pomelo.
Mas tentarei provar este que lhe provoca desejos.
E sò pq fiquei curiosa!...
Bjs!

ELI disse...

Oi Fábio
Me tornei adicta de Pomelo e Grape fruit graças a amigos argentinos e americanos,confesso que o suco não me atrai mas, partir a fruta enorme com as mãos, sentir o odor que exala da casca e partilhar aquela imensa benção da natureza numa roda de amigos me tornou uma viciada o ritual.
eli

Juliana disse...

Faz bem para o coração e para o corpo. Parece ser uma fruta muito adequada para usos variados.