sexta-feira, 31 de julho de 2009

Romance policial

Por estranho que soe, meu amor atingiu tais atmosferas de loucura que se destituiu do que mais prezava, para além de qualquer esperança de recuperação (Heloísa para Aberlardo Séc XII)


Não se sabe bem ao certo o motivo, mas Filiberto não gostava de Abelardo, o namorado de sua filha, Heloísa.

Alguns achavam que era a diferença de idade. Abelardo era bem mais velho que sua amada, quase da idade de Filiberto.

Outros atribuíam a uma discussão quase nominal sobre política.

Seja lá qual fosse o motivo, o pai proibiu a filha de encontrar o desafeto.

O que não significou muito. Heloísa, estudante de direito, contava com a cobertura de sua amiga Cibele, que trabalha no distrito policial do bairro.

Sempre que saia avisava ao pai que iria até a delegacia, onde, supostamente, estava fazendo estágio.

Abelardo sempre entrava pela porta dos fundos. Heloísa pela entrada principal. Juntavam-se no porão que, no passado, tinha sido usado para interrogatórios.

Quando não conseguiam se encontrar enviavam, através de Cibele, cartas um ao outro, em linguagem cifrada.

Tudo corria bem, até o dia em que Heloísa se descobriu grávida. Não tinha como esconder isso do pai, até porque ainda não tinha idade para casar sem a autorização dele.

Abelardo, encheu-se de coragem e foi conversar com Filiberto. Quase apanhou. No fim acabou por convencê-lo de que era melhor o casamento do que a vergonha.

Acreditando que estava se vingando Filiberto declarou que, naquele estado, sua filha só se casava na frente do delegado.

E assim foi, em plena segunda-feira, comemoraram as bodas na delegacia.

5 comentários:

Vilma Mello disse...

hahaha, isso lembra aqueles casamentos de festa junina, com o noivo casando sob a mira de uma cartucheira e a noiva grávida...

beijos de sexta

Vilma

Rubinho Osório disse...

Como meu velho pai sempre disse, o que vale é o papel do cartório; a cerimônia de casamento pode ser em qualquer lugar, não precisa ser na igreja. Pode ser até na delegacia...

clau disse...

Sera que um casamento assim tb terminarà em divorcio, engrossando as estatisticas?...
Hihihihi!
Bjs!

Taty disse...

Dei risada com esta história, fim nada trágico, haverá continuação? E como será que é transar dentro de um porão? Será que era limpo?
Diversão pré-almoço!

Ana disse...

No fim, tudo dá certo....