sábado, 1 de março de 2008

A inominável antologia de Fevereiro


Esse mês eu exagerei nas publicações tirando o atraso das férias. Com isso a quantidade de comentários foi significativa e a escolha dos melhores não foi fácil.

Como sempre deixo os textos dos meus leitores fora de contexto e sugiro que você não procure a lógica, apenas solte a imaginação e divirta-se. Aí vão eles:

O que se faz com uma blusa entreaberta?

...ou seriam cobaias?

...ele poderia usar a grana pra pagar os carnês da menina de vestido de crochet...

Ventania é mais normal e menos sexual.

...não fazem sentido nem na zona sul, nem na zona norte e muito menos na favela...

...você continua um culinarista safado!

...em se tratando de sexo, nada é normal.

O vinho subiu à cabeça ou foi a falta dele?

Que confusão! Não entendi nada...

Um dia te conto do meu risotto de morango...

Não terei nem o direito de ser múmia!?

...preciso deixar minha blusa entreaberta mais vezes!

Mãe, Miojo é macarrão?

Quero sua cama!

Que nos livram dos altares Benzodiazepínicos!

...há dez anos, procuro um travesseiro legítimo de penas de ganso...

...e nunca houve sexo entre nós.

Podem ser "cortados", mas em taça inteira...

...qual a profundidade daquele baú que está escondido no canto do seu escritório?

Ouvi dizer que fizeram até um projeto para levantar um sindicato para categoria, mas que nunca saiu do papel por falta de motivação...

não consegui parar de ver múmias...

3 comentários:

Lou Mello disse...

Parabéns pela idéia e realização. Receberá nota máxima quando acrescentar os links, em cada comentário.

malmal disse...

/\
||
||
||
Viu? não sou só eu que quero !!!!!


bijok

PS. Vc poderia agradar os leitores, faça uma pesquisa de mercado pra saber as preferências hahhahahahhah

Fábio Adiron disse...

Lou e Malmal

Eu sou um cara de marketing e preocupado com o mercado.

Mas se eu colocar os links esse tipo de publicação perde toda a lógica que é a de , justamente, descontextualizar os comentários.

O que eu quero é que as pessoas leiam a frase e imaginem suas próprias insanidades a partir delas...