segunda-feira, 17 de março de 2008

Conticulóides geométricos


Régua
Luísa media suas palavras, seus sentimentos, suas amizades. Não dava um passo sem ponderar os prós e contras de cada atitude que tomaria e não tolerava as pessoas que não agiam da mesma forma. O diagnóstico do médico foi irrecorrível, transtorno-obssessivo-compulsivo profundo, receitou que ela bebesse um garrafa de vinho todas as noites até perder o juízo.

Compasso
João apaixonava-se loucamente cada vez que conhecia uma nova mulher mas seus romances andavam sempre em círculos não indo a lugar nenhum. Ele preso às suas manias e elas orbitando em volta dele até se desgastarem e serem descartadas.

Esquadro
Mariana, a cartesiana, era uma garota certinha. Nunca imaginou que ao conhecer Durango as linhas retas que tinha traçado para a sua vida sofreriam tamanha revolução. Se desfez dos tailleurs, largou a faculdade e foi morar numa comunidade hippie decadente onde fazia artesanato e teve três filhos de pais diferentes.

Transferidor
Antonio sabia distinguir claramente os diferentes graus de afeição que dedicava a cada pessoa. Amores agudos, amizades retas e inimigos obtusos. Seu mundo caiu quando um dia acordou com sua melhor amiga ao seu lado na cama.

Borracha
Cláudia não guardava rancores. Tinha a capacidade de esquecer os aborrecimentos passados rapidamente e achava que isso era um privilégio reservado a poucos. Depois da primeira sessão no psicanalista chorou compulsivamente durante uma semana sofrendo todas as dores que cria estarem apagadas.

6 comentários:

.Intense. disse...

Acho que eu me julgava uma borracha. Não tou com o psicanalista, mas com a psicoterapeuta, que tem me ajudado mto, mas que me mostrou que eu tenho um monte de dores não resolvidas. Isso no intuito de que eu as resolva, não que entrasse em parafuso como parece que eu estou.

Vai entender.

.Intense. disse...

Até erro de concordância eu consegui cometer. Dá pra entender? não dá.

Cristiana Soares disse...

Que ótimos, Fábio! Adorei!!

"foi morar numa comunidade hippie decadente onde fazia artesanato e teve três filhos de pais diferentes"

Huahuahuahauh! Por pouco não fiz isso... heheh... mas acabei tendo duas filhas do mesmo pai e vim morar em São Paulo.

malmal disse...

Tô mais pra curva francesa, polivalente...e sem ângulos retos...
mas seus exemplos são bótimos...
bijok

Vilma disse...

Fábio era ótimo em geometria, mas adorava desenhos abstratos...

Fábio Adiron disse...

.Intense. Passe uma borracha no erro de concordância, esse não deixa traumas.

Cris : a própria hippie urbana...

Vilma: sempre abstrato