quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Reações amorosas

Zeca era daqueles sujeitos que acreditava na vitória da esperança sobre a experiência. Já tinha casado e descasado três vezes, mas ainda buscava a mulher ideal.

Sempre se julgara um romântico. E era mesmo.

Além de romântico era um bom observador e, diferentemente de outros homens que costumam ter expedientes repetitivos de cantadas, ele desenvolvia uma específica para cada mulher e para cada situação.

Na maioria das vezes fora bem sucedido. Em outras entrou pelo cano, quando algumas não gostaram desse excesso de observação e se sentiram invadidas nas suas privacidades.

Quando a situação lhe foi favorável ele experimentou as mais diversas reações. Espanto, surpresa, emoção, largos sorrisos e debulhar de lágrimas.

Assim como as mulheres eram diferentes, também o eram suas reações.

Algum tempo depois da terceira separação ele conheceu Sara. Uma mulher bonita, da mesma geração dele, valores e gostos muito parecidos.

Começaram a namorar. Cada dia que passava eles estavam mais apaixonados, mas ele, apesar de querer, relutava em falar em casamento.

Sua relutância não tinha nada a ver com as experiências anteriores mas Zeca era um purista, o pedido de casamento precisava ser a cantada perfeita.

Reparava em cada detalhe de Sara, seu modo de vestir, de falar, de pensar. Construiu e desconstruiu seu texto várias vezes.

Um dia, o amor atropelou a verve literária de Zeca e ele não resistiu. No meio da rua, disse que ela era o seu primeiro e último amor. A mulher, ao lado de quem, ele gostaria de morrer.

Sara olhou para ele. E engasgou. Literalmente. Não tinha nada na boca além de saliva, mas engasgou de tal forma que ele teve de socorrê-la ali mesmo.

Um mês depois estavam casados. Uma mulher que engasga com uma cantada já baixou a guarda completamente e se entregou incondicionalmente ao amado.

5 comentários:

clau disse...

Neste caso um engasgo ficou valendo pelo sim.
Talvez com o risco dela continuar se emgasgando pelo resto do tempo terminando, por fim,de ficar sem o tal do atento socorro. rss
Esperemos que nao!
Bjs!

Vilma Mello disse...

Os engasgos do amor... isso dá tema para um livro rs

beijos de quarta

Rubinho Osório disse...

No caso, nem precisava cantada, que, aliás, foi ruizinha demais!

Anônimo disse...

Essa, o Rubinho levou!
amor romântico!?...X... amor incondicional...
O amado poderia ter sido mais criativo (risos)
beijos

Arimar disse...

Fábio.
Comentei seus escritos com uma amiga minha, que há anos procura um amado e ela pediu para lhe informar que ,já comprou um pacote de farofa e hoje mesmo irá sair por vários locais, esgasgando, só para ver se dá certo.
Como está o mundo hoje, não é? he he he.
Abraços