sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Alguém


Maria sentou-se ao piano e começou a tocar. Seus dedos estavam na música, sua cabeça não.

Sentia um misto de surpresa e de encantamento. Depois de tantos anos de procura, ela, finalmente, tinha encontrado a pessoa.

Alguém com quem ela podia realmente ser ela mesmo. Falar do que quisesse, na hora que quisesse. Sem medos, nem culpas.

Alguém que se alegrava com suas alegrias, vibrava com suas conquistas. Alguém com quem dividisse seus medos e fraquezas.

Alguém que procurava dissipar seus medos, ao invés de recriminá-los. Alguém que compreendia suas fraquezas, ao invés de desprezá-las.

Alguém com quem ela, mais do que despir o corpo, podia despir sua alma.

A vergonha dos outros, que sempre a acompanhara, desaparecera por completo. Pelo menos quando estava com ele.

E ele estava com ela o tempo todo, mesmo ausente, não havia momento em que ela não o tivesse dentro de si.

Em pensamento, em sonhos, frente à frente. Fazia parte dela.

Maria acabou a música e percebeu que nunca tinha tocado tão bem.

10 comentários:

Vilma Mello disse...

Que bonito, sonhar nos torna melhores...

beijos

Lucila disse...

Grande verdade! Me sinto assim muitas vezes!
beijos musicais

clau disse...

In questo caso a me manca solo il pianoforte!...
Hihihi.
Bom fim de semana para vcs!
Bjs!

Rubinho Osório disse...

"Alguém" é bom demais!!!

Virginia disse...

Uma curiosidade primo, que música ela estava tocando?

veronica disse...

Coisas da alma....
bj

Fábio Adiron disse...

Vir: tocava a sonata em Lá Maior, kv331

Virginia disse...

Muito bom gosto...

Fábio Adiron disse...

Prima: também acho. Se bem que eu ouvi dizer que agora ela está estudando a trilha sonora de Cat People, que também é das melhores

Juliana disse...

Primorosa a escolha da imagem. Ah, o texto está bom também.