domingo, 20 de setembro de 2009

Por uma cozinha poética

Algumas vezes eu gosto de inventar jantares diferentes para alguma comemoração. Outras, porque vou receber visitas. Na maioria das vezes eu gosto de ir para a frente do fogão apenas pelo prazer de cozinhar.

Ainda que o exercício da culinária seja um prazer, muitas vezes, solitário ele só se completa quando se tem em mente alguém para quem se cozinha. Especialmente quando o momento é de invenção. Cada tempero tem uma intenção específica, que vai muito além de dar sabor ou aroma ao prato.

Resolvi brincar com ingredientes e temperos marcantes. Misturar sabores como se fosse uma paleta cromática. Acertar temperos como quem ajusta a métrica de um poema. Contrastar dissonâncias harmônicas.

Os pratos que se seguem são fáceis de fazer, o toque de sentimentos, depende de você.

Quiche de roquefort

Para a massa, junte 8 colheres cheias de farinha de trigo, 1 tablete de margarina (100 g), 1 pitada de sal, 1 colher de chá de fermento em pó e 1 gema. Misture e amasse bem os ingredientes. Caso a massa fique seca ou não der liga coloque aos poucos, uma a uma colheres de sopa de leite. Espalhe por uma forma e vá massando até a forma estar toda recoberta de massa até as bordas. Não é necessário untar a forma.

O recheio é ainda mais simples. Num liquidificador coloque 3 ovos inteiros mais a clara que sobrou da massa, 1 copo grande de leite, 1 colher de sopa de manteiga, 300 a 350 g de queijo (no caso eu misturei meio a meio queijo meia cura e roquefort) . sal e noz moscada. Bata os ingredientes e derrame sobre a massa. Assar em forno médio até dourar.

Filet mignon cítrico

Pegue uma peça de filet mignon (cerca de 1 kg) e tempere com sal e pimenta do reino. Num recipiente à parte, misture 3 dentes de alho picados, uma xícara de azeite de oliva, ervas verdes (eu usei ervas finas), uma colher de sopa de vinho do Porto e uma colher de sopa da Grand Marnier (um licor de laranja). Espalhe a mistura pela carne e deixe descansando por cerca de 6 horas. Asse, em forno médio, coberto por papel alúminio por cerca de 1 hora, tire o alumínio, aumente o fogo e deixe assar até a carne ficar corada. Tire da forma e fatie. Escorra o líquído que sobrou na forma e reserve o caldo mais grosso da carne que restou.

O molho. Derreta duas colheres de manteiga numa panela. Acrescente as raspas da casca de um limão siciliano. Quando dourarem acrescente o suco do limão e deixe reduzir pela metade. Acrescente o caldo grosso de carne e misture bem. Aos poucos, acrescente creme de leite fresco até a consistência deixar de ser pastosa. Se necessário, acrescente um pouco de sal (quase sempre é necessário pois o creme de leite dilui o sal do caldo de carne).

Num prato sirva fatias de carne com molho, uma fatia de torta e folhas verdes.

Junto com tudo isso, eu bebi um vinho 60% Tannat, 40% Merlot, da Gascogne (um vin de pays bem saboroso).

4 comentários:

Arimar disse...

Fábio.
Muito obrigada.
Como sempre, você me salvando, rs rs .
Desta vez , vai ser o almoço deste domingo. Mas acho que vou acrescentar, para acompanhar um arroz, pois conheço o eleitorado aqui de casa.
Beijos.
Bom domingo.
Arimar

Vilma Mello disse...

Vou tentar qualquer dia

beijos de domingo

clau disse...

Que belo menu este seu, Fabio!
Sou "parada" em quiches, e boreks tb, pq sempre dao resultados fantasticos!!
Bjs!

Juliana disse...

Limão com creme de leite?? Como é que você faz isso funcionar?