segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Amor mecânico


André sentou-se no quarto para mais um domingo de estudos. Não tinha escapatória, o final do ano estava chegando e, com ele, o temido vestibular.

Não conseguia se concentrar nas matérias, só pensava em Cássia, a namorada. Além de tudo não estava conseguindo encontrá-la o tanto que gostaria, em função dos estudos.

Olhava para as apostilas. Olhava para o teto. Olhava pela janela e só via a imagem da garota.
Pegou o livro de física. Justo física que ele odiava. Mecânica era a matéria. Precisava decorar as definições para o simulado no dia seguinte.

Começou a copiar o texto, era a sua forma de memorização. Força isso, força aquilo...e Cássia em seus olhos :

...força centrípeta é a força resultante que puxa o corpo para o centro do seu coração, como se nossos corpos gravitassem permanentemente um em volta do outro.

Algumas vezes essa atração é tão forte que vem perpendicularmente em direção ao meu coração, como uma pseudo força de Coriolis.

Já a força centrífuga impulsiona tudo para fora, assim como temos conseguido expelir para bem longe todos sentimentos ruins que tentam se apegar a nós.

Nos momentos eu que eu me sinto afundando, você funciona como o empuxo me trazendo de volta à tona.

Se meus deliros me levam a alturas excessivas, você me traz de volta como a força da gravidade.

Em nós, todos os vetores são convergentes. Todas as resultantes tendem a infinito.

Você, e só você conseguiu me tirar do estado de inércia em que eu vivia.

Eu sei que esse estudo se ocupa da descrição dos movimentos dos corpos, sem se preocupar com a análise das suas causas, assim como eu te amo sem saber o porque....

André, cansado, dormiu sobre os livros. No dia seguinte, jogou tudo dentro da mochila e correu para a escola.

Tirou 10 no simulado, surpreendendo colegas e professores.

A melhor nota, no entanto, foi a que recebeu de Cássia, quando lhe entregou os rascunhos dos seus estudos.

4 comentários:

Vilma Mello disse...

Que lindeza... è verdade a gente ama sem saber o porque...

Beijos de feriado!

clau disse...

A teoria da relatividade é sempre muito valida...! rss
Bjs!

Juliana disse...

Até hoje tento acertar essa fórmula.

Rubinho Osório disse...

Pena que não tive um incentivo desses quando estudei física: era péssimo!!!