quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Expectativas dúbias

Naquela noite Marcelo mal conseguiu dormir de tanta emoção.

Tudo porque Renata, aquele mulherão que estudava na mesma classe que ele, e que era a desejada de todos os meninos, lhe dissera, ao saírem da escola, que não poderia ir com ele na festa de sábado porque ele era muito anafrodisíaco.

Nunca alguém tinha dito algo tão forte para ele. Sua imaginação transportou-o para lugares onde nunca estivera antes. O que será que Renata sentia quando pensava nele?

Afinal, nem todo mundo era anafrodisíaco como ele.

Será que as outras meninas da classe achavam a mesma coisa? Será que se contorciam nos seus leitos pensando nele?

Imaginou Renata sonhando. Imaginou-se sonhando com Renata.

Estava feliz, finalmente a vida lhe sorrira.

Até se conformou com o fato de Renata ter recusado o seu convite. Afinal, quem poderia saber o que aconteceria se estivessem juntos e ele transmitisse seus poderes anafrodisíacos?

Quando chegou na escola, no dia seguinte, foi conversar com Renata assim que a viu. Ousado como nunca perguntou-lhe se tinha dormido bem. Em seguida declarou:

"Não se preocupe com minha capacidade anafrodisíaca, eu sou capaz de me controlar..."

Renata deu uma gargalhada e foi para a classe.

No dia seguinte ela chegou com um pacote de presente para Marcelo.

Foi a primeira vez que ele ganhou um dicionário.

4 comentários:

Vilma Mello disse...

Estou precisando de um dicionário...
Bom dia!

clau disse...

Hihihihi.
Digamos que me aconteceu algo semelhante qdo eu tinha por volta de uns 4 anos de idade e a minha avò paterna me dizia que eu era uma menina muito displicente.
Naquela época aquilo, para mim, soava como um magnifico elogio! rss
Bjs!

Rubinho Osório disse...

A ignorância é uma bênção...

Juliana disse...

Conheço vários assim. Ao mesmo tempo anafrodisíacos e pouco letrados.