terça-feira, 31 de março de 2009

Respondendo à amiga

Minha epistolar e cardiomótica amiga

As mudanças ditam o ritmo das nossas vidas, já diria nosso camaleônico e querido Bowie.

Ouvir o teu lado confessional me deixou mais convicto desta intensidade estival da nossa amizade

Lembrei-me de uma das nossas conversas antigas, quando você me dizia : “ você já sentiu uma sintonia total com alguma outra pessoa ? Interesses culturais , etc...”

A minha resposta foi , sem dúvida alguma : Sim - com você !!! e por isso mesmo você complementou a sua frase :

“... e sensualidade ? “

É impressionante como você me conhece... mesmo quando não falo... E, não mais que de repente, você encontrou essa pessoa. A pessoa que consegue juntar todos os lados do cubo mágico, cuja solução nós dois nunca conseguimos encontrar juntos

Quando a emoção e o sentimento são reprimidos a aparência se torna triste.... e agora, mesmo sem ver o teu rosto, tenho certeza que seus olhos brilham de maneira fulgurante.

As vezes nós dois somos muito complexos para quem está de fora, quem vê os dois separados mas não consegue enxergar a floresta, mas gostaria de te dizer de novo que a tua carta bateu no fundo do fundo do meu coração (“ e um homem pode ir ao fundo, do fundo, do fundo, se for por você...” ).

Eu fico aqui sem aquele “ e “ que você citou, encantado com o fato de você tê-lo encontrado. Não deixe de aproveitá-lo por nenhum minuto, não deixe de amá-lo por nenhum segundo.

Que a mudança seja infinita e eterna (não apenas enquanto dure, amor que só quer ser infinito enquanto durar é qualquer coisa, menos amor). Por que o amor, apesar do tempo, é diamante.

Beijos em teu sorriso

5 comentários:

bete disse...

Obrigada.

Anônimo disse...

Preciso ler mais, vou voltar as recebidas e aqui, isto está lindo demais pra ler correndo..
E beijos no sorriso foi... gostoso.
Maria.

Anônimo disse...

Que linda resposta! Digna da sua pessoa.
beijos

Anônimo disse...

Tu deixou (de propósito) a dúvida quando ela perguntou ..."na sensualidade?" Fabio?
Gostei muito desta fase sobre cartas e saiba que de cartas eu entendo, mesmo em tempos de e-mail nunca deixei de escrever cartas. Mas nunca escrevi nem recebi nenhuma destas e isto não é de todo ruim. Acho que eu não veria tanta magia ao lê-las aqui ja ja as tivessse recebido.
Parabéns a quem manda, feliz de quem recebe.
Beijos de boa noite. Com asinatura...
Maria.

clau disse...

Nada como uma amizade epistolar!
Alias, convenhamos, tudo que é epistolar tem um ar ediliaco, utopista, "pseudo perfeito".
Obvio que se abre mao de comer pipoca e tomar umas cervejinhas falando besteiras, em primeira pessoa...!
Mas fazer o que?
Nao se pode ter tudo na vida! Hihihi.
Bjs!