quarta-feira, 25 de março de 2009

Camarão conquetivé

Sábado passado tirei do freezer um pacote de camarões. Sem saber exatamente o que iria fazer com eles no domingo.

Como o meu dia acabou ocupado por outras atividades que mereciam mais atenção que os crustáceos e, no domingo de manhã fui para a Igreja, encontrei os decapódes me esperando na pia.

A primeira idéia foi fazê-los à dorê. Mas eram de tamanho médio e estavam sem cauda. Desisti. E fui fazer uma pesquisa na minha caixa de temperos e na geladeira.

Temperei os malocostráqueos com flor de sal e pimenta do reino. A Letícia veio me ajudar e pedi que ela misturasse uma colher de chá de curry em meia xícara de café de azeite que derramamos nos bichinhos.

Com um pouco mais de azeite e flocos de alho eu refoguei os artrópodes numa caçarola. Quando já estavam cozidos coloquei uma meia garrafinha de leite de côco que estava perdida na geladeira. Deixei reduzir, chequei o sal do caldo.

Aí cozinhei um pacote de rottele (aquele macarrão que parece uma roda de carroça), adicionei o molho de camarões e completei com um pouco mais de azeite.

Além de aproveitar um monte de coisas que tinha em casa, ainda serviu paras as crianças experimentarem o curry e, como parte do estudo de história do Samuel que está aprendendo sobre as grandes navegações, tivemos a oportunidade de saborear uma combinação de especiarias (o curry combina várias delas).

E acabei com a garrafa do Lote 43 da Miolo que começara na noite anterior....

8 comentários:

Rejane Martins disse...

Fico curiosa pra saber se o camarão não passou do ponto... Mas foi uma excelente combinação e a melhor aula de história que teus filhos poderiam ter... Navegar é preciso!
Beijos,
Rejane

clau disse...

O famosissimo dilema do camarao...!
Se é gde e com a casca e perninhas, se é miudo e sem elas,nao importa, sempre tem o dilema!
Pq, mistério dos mistérios, se ele nao foi comprado para um fim especifico e vem a ser feito com uma idéia de momento e ingredientes disponiveis, nunca é aquele adequado para aquela improvavel improvisaçao, rss
E dentre tantas mil possibilidades,ou mm num deserto delas, acontece que às vzs nòs terminamos inventando coisas que, para sorte sua ao menos, ficam boas!
Bjs!

Braulio França disse...

Parece roda de carroça mas também me lembraram limões cortados ao meio...

Anônimo disse...

Mais essa agora, flor de sal?
Tua esposa é que fica feliz, só "confere" né?

Maria

Taty disse...

Você sabe, meu ex-cunhado chamava de "assustado" de..... qualquer comida que fosse feita com ingredientes de sobras de geladeira e outros temperos. Pegou moda em casa falar "fiz um assustado de ....". Pois é, o seu prato lembrou um assustado, bem feito, claro, afinal "assustado de camarão" é outra estória. E outra, adoro pratos que são criados na hora, ou qdo se muda ou se erra a receita, aconteceu hoje: a receita dizia sal nas sardinhas pra assá-las no forno e eu consegui ler sal e limão, mas sabe, ficou bom!

Bel disse...

Que danado é flor de sal????

Fábio Adiron disse...

Flor de sal:Trata-se da primeira camada, a mais fina, que fica cristalizada na superfície das salinas depois que se forma o sal. Nasce como espuma e é coletada com a mão, de tão delicada.

Jane: não passou do ponto não...imagina se eu ia deixar isso acontecer

Ana disse...

Ah, amei a receita

nossa flor de sal, essa eu aprendi...

bjs