segunda-feira, 23 de março de 2009

Andando nas faixas

O melhor ainda estava por vir e Daniel não sabia disso quando conheceu Roberta. Achava que poucas coisas iriam superar aquele primeiro encontro e todo o turbilhão de paixão que acontecera entre eles. Tudo muito intenso, tudo muito rápido. Achava que era a perfeição e que, a partir daquilo suas vidas seriam fundadas nas lembranças do primeiro encontro.

É melhor que seja essa noite ela afirmou. Ele não entendeu bem o por que, mas não estava em posição de questionar nada naquele momento. Não poderia perder a oportunidade filosofando. Que as dúvidas existenciais ficassem para qualquer outra hora, menos aquela.

Eu e a Sra Jones, foi o que ele imaginou - ela deve ser comprometida. Poderia ser a primeira e última vez que a veria. Poderia ser a única chance que Daniel desfrutaria de um amor tão intenso. A frase lhe martelava a cabeça : o amor que acontece uma vez na vida. Mergulhou com tudo.

Sou o seu homem. Naquela hora e naquele momento ele tinha essa certeza. Ela também. Mais que isso, sem dúvidas para caraminholar, Roberta aproveitou muito melhor a situação.

Querido, vamos para casa, ela finalmente disse. Ele ficou ainda mais perplexo. Como assim ? Que casa? ao mesmo tempo dançava nas nuvens ao ouvi-la chama-lo de querido.

Perdido. Daniel estava completamente perdido. Perdido de paixão, perdido de sentidos e completamente falto de compreensão do todo. Justo ele que planejava cada passo, estava completamente desorientado. E gostava disso.

Pode me chamar de irresponsável, ela lhe disse no caminho, deve estar achando que eu sou uma louca, uma perdida. Talvez seja mesmo. Mas posso garantir, ela continuava, que eu não sou mulher de um só encontro. Acho que algum passarinho veio me dizer que você é a pessoa que eu sempre esperei. Não vou ficar brincando de te testar.

Maravilhosa nessa noite. Quando dizia isso Daniel não estava mais se referindo à primeira noite. Cada noite Roberta se superava. Sempre mais bonita, sempre mais amorosa, sempre mais apaixonada.

Tudo. Foi o que um passou a ser para o outro. Aos poucos foram se descobrindo. Cada descoberta os deixava ainda mais atônitos, parecia que o mundo conspirava a favor deles.

O mundo preso num barbante. Conseguiam administrar suas vidas como se todo o mundo fosse uma bola bexiga presa numa cordinha, sobre a qual tinha controle absoluto. E que não pretendiam soltar jamais.

Sempre na minha mente. Roberta parecia ter encontrado uma forma de compartir o disco rígido de seu cérebro. Conseguia pensar no trabalho, nas atividades da casa, nas suas outras relações pessoais e, ao mesmo tempo, pensar permanentemente em Daniel.

Isso é a vida. Daniel sabia que todos os seus anos antes de conhecer Roberta tinham sido em vão. A vida começara exatamente naquele dia, até mudou a forma de contabilizar a sua idade.

Sonho. Subitamente Roberta acordou. Nunca tivera um sonho tão lindo. Do outro lado da cidade Daniel resmungava contra o despertador que o tirara da viagem onírica onde estava e o jogava de volta à realidade. Lembrou que naquela noite tinha uma festa chatíssima para ir. Enquanto tomava seu banho Roberta pensava no que iria vestir aquela noite. Nenhum dos dois sabia que o melhor ainda estava por vir.



À guisa de explicação : essa história foi criada a partir dos títulos das faixas do CD Call Me Irresponsible de Michael Buble. Cada parágrafo começa com uma delas. No site é possível ouvir algumas.

2 comentários:

Anônimo disse...

Essa dimensão onírica...tudo pode acontencer...é só dizer vamos!
beijos

Juliana disse...

Você pode me dizer de onde tira essas idéias? Você fica olhando para as coisa e imaginando coisas?Qualquer hora ainda vou entrar aqui e encontrar uma história baseada num extrato bancário...
Genial!