sábado, 28 de março de 2009

Fundamentos de beijologia

O beijo é, aparentemente, uma coisa simples. Uma justaposição anatómica de dois músculos orbiculares da boca em estado de contração.

É umas das ações mais fáceis de se aprender. Bebês com poucos meses já beijam. Por outro lado podem até ser classificados em latim.

O que eu nunca imaginei é que existisse uma ciência dedicada a estudar o beijo, a filematologia (que eu vou chamar de beijologia que é mais fácil)

Descobri isso num beijo literário que recebi recentemente, mas nem a Wikipedia explica mais detalhes da ciência, o que me encheu de dúvidas.

A beijologia é uma ciência humana, biológica ou exata ? Existe alguma relação inter ou transdisciplinar entre elas ?

Quem estuda isso ? A anatomia (já que assim é definido) ? A físico-química ? A endocrinologia (impossível não citar hormônios quando se fala de beijo)? É comportamental ou atitudinal?

Sendo uma ciência deve ser objeto de algum curso superior, o que me provoca mais questões: o vestibular para essa faculdade é prestado em duplas ou essas são formadas no decorrer do curso?

Não imagino que exista um curso de formação profissional que não envolva atividades práticas. Nesse caso, os professores podem estar envolvidos na aplicação da teoria ou isso fere a ética acadêmica?

O curso exige estágio? Se sim, aonde? Qual a carga horária mínima ? Uma vez formados, onde trabalham os beijologistas ? Em treinamento de atores de novelas ? Em aconselhamento de casais? Em agência matrimoniais? Dão aulas de educação sexual para adolescentes?

Claro, isso são apenas curiosidades. Se depender de mim, os beijólogos vão morrer de fome, porque eu já encontrei os lábios que melhor se encaixam aos meus. Não sei se nossos beijos têm alguma validade científica, mas ambos estamos bastante satisfeitos.

Para os que beijam sem ciência, deixo como brinde dessa postagem um beijo do poeta português Jorge de Sena

Um beijo em lábios é que se demora
e tremem no de abrir-se a dentes línguas
tão penetrantes quanto línguas podem.
Mas beijo é mais. É boca aberta hiante
para de encher-se ao que se mova nela.
E dentes se apertando delicados.
É língua que na boca se agitando
irá de um corpo inteiro descobrir o gosto
e sobretudo o que se oculta em sombras
e nos recantos em cabelos vive.
É beijo tudo o que de lábios seja
quanto de lábios se deseja.

O beijo fotografado por Alfred Eisenstaedt na Times Square é, na minha opinião, o ícone máximo do ato de beijar.

4 comentários:

clau disse...

Menos mal que nòs,os leigos, prescindimos das ciencias para levar avante os nossos impulsos, sem que tenham uma conotaçao academica...!
O beijo, do meu ponto de vista tem um "que" de muito concreto, seja de natureza hormonal seja social.
E eu prefiro os abraços!
Pq, salvo rarissimas exceçoes, sao ligados a autenticos sentimentos, numa expressao fisica daquilo que temos de mais etéreo em nòs mesmos...
Bjs!

Juliana disse...

Definitivamente você está lírico (não, não mude, está ótimo). E que poema esse do fim, hein?

Anônimo disse...

Tu está feliz então Fabio. Puxa, em dias de insatisfação "total e irrestrita" está feliz com o encontro labial. Sorte a tua e de quem faz de ti o homem que não quer saber de outros beijos..
Eu acho o beijo TUDO, sem beijo bom não funciona nada. E adoraria participar dessa escola, faculdade, curso, profissão, tudooooo que esteja relacionado ao tema. Sou fã de beijo. Tenho guardado na memória o melhor e acredite, se fechar os olhos eu lembro exatamente como era, o gosto, a exigência, a força, é minha melhor lembrança. Como faz falta...
Maria.

Elis Zampieri disse...

Uma justaposição anatómica de dois músculos orbiculares da boca em estado de contração???

Beijo mais científico! Deve ser isso mesmo que estuda essa tal ciência, e eu que tava quase me animando... :-(

Seria a opção ideal pra gurizada que ainda não decidiu o que quer fazer da vida...Faculdade de beijologia!!!

Bjos (resultantes da justaposição anatômica dos ossos mandibulares e de um ruído labial). :-)