quinta-feira, 6 de maio de 2010

Uma mulher protusa

Hérnia era uma mulher protusa, se imiscuia em todos os assuntos que não lhe diziam respeito.

Não se preocupava se fazia isso de forma natural ou se adquiria meios para invadir todas as cavidades que lhe eram visíveis.

Geralmente ela aparecia quando alguém estava sobrecarregado, dava uma tossida como quem não quer nada e queria saber qual era a dor de barriga da pessoa.

Era justamente no momento em as pessoas estavam desestruturadas que ela manifestava sua índole melíflua. E deixava as pessoas completamente aponeuróticas.

Dependendo da encrenca que passava o circunstante que ela atacava, a reação podia variar de um simples desconforto a uma dor intensa.

Dentre os seus hábitos desagradáveis ela dava um jeito de se tornar o mais visível que pudesse e trancava a circulação de qualquer outra pessoa no assunto.

Até o dia em que quis intervir na vida de um sujeito violento.

Hérnia foi estrangulada, sem sangue e oxigênio teve uma isquemia e necrosou-se rapidamente.

Seus restos mortais foram enterrados em Septicemia, sua cidade natal.

4 comentários:

Vilma A. de Mello disse...

A Hérnia parece que teve o fim que mereceu...

Beijos de quinta feira

Edilene Marina disse...

Vc pode me apresentar esse cara?tenho uma Hérnia em minha vida KKk

clau disse...

...hihihi...
Que herniazinha danada!
Bjs!

Fábio Adiron disse...

Vilma: todas deveriam ter

Edilene: o cara era um cirurgião

Clau: e, segundo me contam, doída