segunda-feira, 10 de maio de 2010

Coruja technicolor


Corujas brancas corujam tintas encorujadas nos seus ninhos.

Todas as manhãs que vivo, sem me esconder pelas ruas, me encantam

Todas giram giram, todas debaixo da lua de cristal incandescente

A coruja que me olha revive a sensação da vida projetada em mim

Eu a conheço de antes de antes de antes

Nunca me fui, nunca me vou, jamais me irei

Sua voz me segue piando, cantando

Seus olhos farol como a luz do trem para um destino certo

Suas marcas em minha pele tingem meus sonhos reais

Corujas brancas corujam tintas encorujadas nos seus ninhos.

2 comentários:

Vilma A. de Mello disse...

Corujas, corujinhas e corujices para você

beijos de segunda feira

clau disse...

Qdo pequena, ainda sem a consciencia de que eram carnivoras, pedia sempre ao meu avo que me troxesse uma.
E fiquei anos brava por ele nunca ter realizado este meu sonho.
Pq sò anos mais tarde descobri que ele tinha me ajudado a mante-lo...
Hihihi.
Fabio, tb eu gosto muito de corujas. Ainda!
Bjs!