segunda-feira, 24 de maio de 2010

O amante da geometria

A transversalidade é um tema que recorrente nos colóquios de Plutão.

O sábio da Acaia costumava se debruçar sobre a geometria de forma contundente e, na maioria das vezes, ela não reclamava.

Sua incursões costumavam ser analíticas, ainda que a preferência da geometria fosse projetiva.

Quando isolado do mundo e do seu campo de estudos, ele tinha atividades meramente descritivas.

Sua geometria se considerava esférica, um modelo simplificado e herdado da geometria elíptica, esta sim, muito mais sofisticada e elegante.

Sua relação com a matéria tornou-se gradativamente hiperbólica e sem paralelos na história da matemática moderna. Chegando a um ponto dado com um número infinito de ultra-paralelas.

Amante da geometria, ela era música para os seus ouvidos , Platínico a tocava em espirais ascendentes que a conduzia muito além das cúpulas ensolaradas de Oviedo

A sonoridade geométrica era fora do comum, projetando-se no tempo e no espaço, de forma grave e cônica, como soem ser as elipses transversais.

Sua obra mater foi a transformação do duplo foco dos eixos em uma única linha que se estendeu além dos limites conhecidos do universo

Um comentário:

Vilma A. de Mello disse...

É de esperar que a geometria também fosse apaixonada por ele

beijo