sexta-feira, 21 de maio de 2010

A fruta verde do vovô

Bruno ouviu a batida na porta que se abriu trazendo seu neto mais velho para dentro da sala.
" - Boa noite vô, tudo bem?"

" - Boa noite filho, tudo tranquilo."

" - Vô, minha mãe me recomendou vir conversar com você sobre um assunto."

" - Senta aí, vamos conversar. Me diga o que você precisa."

" - É o seguinte vô, você lembra da Patativa ?"

" - Claro neto, sua namorada com nome de passarinho..."

" - Então, a gente está pensando em casar."

" - Muito bom menino, vocês estão apaixonados mesmo, não é?"

" - A gente se gosta vô , dá bastante risada juntos..."

" - Mas estão apaixonados..."

" - A gente se ama muito vô..."

" - Luís, me diga uma coisa, vocês estão apaixonados ou não?"

" - Apaixonado apaixonado não vô , a gente já namora há 5 anos, a fase da paixão já passou..."

" - Então não casem, meu filho..."

" - Como assim vô? "

" - Simples assim Luís, se vocês não estão apaixonados, não casem. Aliás nem continuem a namorar, procurem suas paixões"

" - Mas vô , a gente já está na fase do amor maduro..."

" - Se já está maduro daqui a pouco começa a apodrecer..."

" - Fala sério vô..."

" - Estou falando muito sério, aliás, acho que é por isso que sua mãe quis que você conversasse comigo."

" - Eu acho que ela não gosta da minha namorada... vai dizer que você é ainda é apaixonado pela vovó?"

" - Claro que eu sou, como você acha que estamos casados há mais de 50 anos? Eu continuo me apaixonando todos os dias... Sua avó ainda fica corada com coisas que eu falo. Eu ainda sinto frio na barriga quando a convido para sair."

" - Está de brincadeira, vô"

" - Brincadeira seria você casar com uma mulher por quem você não está mais apaixonado. Casamento já não é fácil entre pessoas apaixonadas, sem paixão é só uma questão de tempo para acabar."

Luís, que esperava sair da sala com a benção do avô, ficou desconsolado com o que ouviu. Foi para o seu quarto e não conseguiu dormiu a noite toda, mal cochilava começava a ter pesadelos com frutas maduras apodrecendo.

No dia seguinte, ao chegar na cozinha encontrou a avó arrumando o lugar do café da manhã para o avô.

" - Bom dia vó, por que a senhora está arrumando a mesa do café? Já não estava pronta?"

" - Bom dia Luís. Eu arrumo o lugar do seu avô todos os dias, todo dia com algum detalhe diferente para surpreendê-lo..."

Naquele momento ele entendeu a recomendação do avô. No mesmo dia desmanchou com a namorada que até hoje tenta entender o que Luis queria dizer com aquela história de queria um amor verde.

6 comentários:

Vilma A. de Mello disse...

Seu vovô é muito esperto...

beijos de sexta feira

Leno F. Silva disse...

Pensando em rapousa e uvas, lembrei-me da eterna canção de Reginaldo Rossi. Solta a fita, que pode ser uma boa trilha para o final de semana. Abraços,

clau disse...

Fabio!...
Verde ou maduro, eu acho que amor é amor, sempre.
Pq a paixao se restringe aos momentos em que existe um que de eletricidade. rss
Bjs!

Rubinho Osório disse...

Huuummm... difícil, hein, manter uma fruta verde!

Roberta Avillez disse...

é difícil manter um amor verde, mas concorco que em um relacionamento as pessoas se apaixonam diversas vezes.

Fábio Adiron disse...

Vilma: sabedoria e experiência

Leno: vou dar uma olhada

Clau: se acabar a eletricidade...já era

Rubinho: não é fácil não

Roberta: díficil, mas necessário