quarta-feira, 20 de maio de 2009

teu coração na minha mão

teu coração na minha mão (ou melhor,
no meu coração) jamais sem ele(onde quer
que eu vá ele vem, amor, o que quer que faça
eu, é o teu fazer, querida minha)
temo
sem destino (que destino a ti, amada) quero
sem mundo (que do mundo és a beleza, vero ardor)
sejas tu a lua que me dá significado
seja o que cantar o sol, canta a ti

eis o segredo de todos desconhecido
(a raiz das raízes, pétala das pétalas
céu dos céus da árvore da vida; cresce
além do que a alma espera ou a mente esconde)
esse é o mistério que mantém as estrelas além.

teu coração na minha mão (melhor, no meu coração)

Se você é daqueles que prefere os originais às minhas traições, aí vai:

i carry your heart with me(i carry it in
my heart)i am never without it(anywhere
i go you go,my dear; and whatever is done
by only me is your doing,my darling)
i fear
no fate(for you are my fate,my sweet)i want
no world(for beautiful you are my world,my true)
and it's you are whatever a moon has always meant
and whatever a sun will always sing is you

here is the deepest secret nobody knows
(here is the root of the root and the bud of the bud
and the sky of the sky of a tree called life;which grows
higher than the soul can hope or mind can hide)
and this is the wonder that's keeping the stars apart

i carry your heart(i carry it in my heart)

ee cummings

3 comentários:

clau disse...

Como nao é dito que quem esta apreciando a obra seja acometido da mm emoçao que a ocasionou.
Pode ser que o fato, de quem tenta favorecer ou explicar a um outro, possa ser sò mais um elo para nos alontanar do objetivo inicial.
Mas vale o empenho, tanto qto vale, e sempre,a nossa boa intençao.
Hihihi.
Bjs!

Anônimo disse...

Eu não traio Cummings...eu o desafio...

I don't carry your heart in my heart
I don't carry your soul in mine
neither your mind nor your body...
I don't carry your hands, your smile, your eyes...
don't carry anything of you..
'cause you are not you and no part of yourself exists
our love has entwined us forever
all yours are mine
and all mines are yours
so there's no carriness
there's not belonging
what there is
is just one and unique being
made up of all your yours and all my mines
that became ours..

Rubinho Osório disse...

Pois prefiro ambos.
Fica mais rica a experiência de ler um poema nas duas formas. Verdade.