domingo, 10 de maio de 2009

Conticulóides destemperados

Damasco

Olhou para ela e, enrubescido, declarou o seu amor. Só recebeu silêncio. Um dia ainda teria a coragem de trocar a fotografia pela mulher real.

Pimenta rosa

Todos os dias Gérson reclamava da comida que a empregada fazia. Mara ouvia, e prometia que iria resolver o problema. Morreu sem saber que era ela, e não a empregada, que cozinhava.

Alecrim

Antonio tremeu quando viu o vidro de pó branco no quarto da filha. Pôs na boca, não reconheceu o gosto. Jogou tudo fora. No meio da noite foi acordado com gritos : quem sumiu com o meu pó imediato do chá ?

Pimenta verde

Joana chorava copiosamente quando a mãe chegou em casa.
- Mamãe, o Renato me mandou um vaso de flores...
- Isso é tão bonito... por que o choro?
- Espinhos, mamãe, espinhos com folhagem de urtiga

Ameixas

Quando menina ela gostava de se esconder no porão da casa da fazenda. Ali derramava suas lágrimas secretas e os seus sonhos infantis. Mandou derrubar a casa e queimar todas as velharias que estavam no porão no dia em que encontrou o marido com outra no seu baú de emoções.

3 comentários:

Bel disse...

Pois o que eu mais gostei foi o da "ameixa", que eu nem sabia que era "tempero". E é???

Fábio Adiron disse...

Bel : pode ser ou não, depende de como você as usa.

clau disse...

Na vida da gente eu penso que sempre tem, nem que seja uma pontinha sò, destes temperos todos que vc descreveu.
Boa semana!