domingo, 9 de novembro de 2008

Notas recifenses

Eu aproveitei muito minha estada de 4 dias em Recife há duas semanas: trabalhei bastante, comi bem e passeei um pouco. E, claro, como bom insano, observei com atenção algumas coisas do comportamento local:

Que a praia (estava de frente para uma) até o sábado é de quase ninguém. No domingo é praia é do povo, assim como a Praça Castro Alves. As pessoas descem em grandes blocos da avenida onde devem passar os ônibus em direção ao mar.

Se a praia é do povo, o mar é dos tubarões. Fui alertado mais de uma vez sobre isso : não passe dos arrecifes. Se não tivessem me avisado as placas na praia não deixam dúvidas a esse respeito. Por que isso acontece exatamente em Recife ninguém soube me explicar. Deve ser algo no tempero do pernambucano que atrai os selaquimorfos.

Nunca deixe de colocar agasalhos na mala se for para Recife. Eu não coloquei e passei frio várias vezes. O clima pode ser tropical nas ruas, nos demais locais (incluindo os carros) o ar condicionado é programado para congelar os ossos.

No final de semana a cidade não acorda. Tudo, ou quase tudo, funciona depois das 12h. No guia da cidade tinha uma sugestão de local para tomar café da manhã, horário de abertura : 11h30.

Esqueça a batida, a caipirinha e a cerveja. Recifense gosta mesmo é de whisky. Basta olhar as prateleiras dos restaurantes e bares com as mais variadas marcas e tempos de envelhecimento. Eles tem até um equipamento para levar o whisky e o gelo para a praia.

Não procure frutas e verduras no mercado central. Se quiser esses produtos eles são vendidos nas barracas da rua. Dentro da área de alimentação do mercado só tem a mistura (carnes, frango, frutos do mar).

Diferentemente da maioria das cidades nordestinas, não encontrei sorveterias. Devem existir, é claro, mas bem escondidas. Em compensação, bolo de rolo com os mais variados recheios tem em todo lugar.

5 comentários:

Bel disse...

Fiquei com saudade de Recife, agora...
(morei lá por 6 anos).

Ah, as frutas são na rua do mercado de São José, a semana toda, tipo uma feira livre. E os tubarões vem até mesmo antes dos arrecifes.

Sorveterias? Claro que tem. Duas redes, a Beijo Frio e a Fri-Sabor... espalhadas pela cidade inteira.

Você foi na feirinha do Bom Jesus? Não deve ter ido... pois teria comentado, com certeza. Se voltar por lá, não deixe de ir ao "Recife Antigo", tem coisa linda demais lá pra se ver/comprar/comer...

Bjo!

Fábio Adiron disse...

Bel

As sorveterias devem estar escondidas... No Recife antigo eu fui, na feirinha não.

Sobre o mercado, foi isso que achei curioso, as frutas e verduras ficam na rua...

Braulio França disse...

Você sempre me faz lembrar de coisas que fiz na vida! Recife, fiquei em Boa Viagem e o meu Bisavô paterno e sua família são da Rua dos Judeus...a tal feirinha eu também conheço. Lá eu quis comer somente o bolinho do acarajé e a baiana não quis me vender! Foi uma discussão e tanto, ela venceu! Fiquei sem o bolinho...em relação ao sorvete somente havia uma sorveteria que ficava perto da igreja. Me chamavam de galego e me confundiram com o Guilherme Fontes, mas esta é uma outra estória pra contar pessoalmente, abraço!

Juliana disse...

Será que não tinha um sorvete de caipirinha de whiskey?

Vilma disse...

Com tubarões, sem sorvetes, procurando frutas escondidas, ar condicionado gelado, sem cerveja... o bolo de rolo não supera tudo isso.Se o pessoal da Embratur ler isso, das duas uma: ou te levam de volta para mostrar o que Recife tem ou tiram ele do guia...hahahahahahaha!