quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Olhos mouros ou isso lá é hora de poesia ?


Olhos mouros


Quantos segredos contados
Quantos mistérios desfeitos
Quantos sinais, quantos finais
Nada demais

Quanta luz é revelada
Quando não esconde nada
Uma expressão, uma canção
Sem comoção

Quanto tempo perdido
Metafísica sem sentido
Mesa de bar, não vai calar
Um olhar

10 comentários:

anja disse...

Ora direis chorar pitangas!!!
(são pitangas né?)

muito lindo apesar de meio triste.
:))

Cristiana Soares disse...

Jabuticabas! Jabuticabas mouras... eu acho...

:-)

Anônimo disse...

Sempre é hora de poesia...
Licor de Jabuticabas por aqui...
Bjokas.
Ellah.

Alice disse...

Afinal um encontro.
Um olhar com cor de Jabuticaba...
Feliz estes dois.
:-D

beijo Fábio... carinho
Alice

Pessoa Comun disse...

sempre é hora, poesia não cala e poesia com mesa de bar...
rola café nesse bar?


bijo de bom dia !!

malmal

Alice disse...

Mouras jabuticabas, jabuticabas mouras... e lindas palavras !! Parabens!

Vilma disse...

Saudades dos pés de jabuticabas, quantas tardes me empanturrando em cima deles...bem que podiam ter colocado uma mesa de bar sob suas sombras, e um sapato nos meus pés para correr do dono do jabuticabal.

Fábio Adiron disse...

Anja

Tudo bem que não deve existir jabuticaba no sul, pois é uma fruta de calor...

Mas olhos de pitangas ?? hahaha

anja disse...

huahuahuahuahuahua
claro Jabuticaba.
Ora de onde me vieram as pitangas tsc tsc

pensei numa falei outra.

olhos de pitanga que engraçadado

Anônimo disse...

intiresno muito, obrigado