terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

A mulher que não sabia fingir

Quando Sílvia chegou em casa naquela noite ela já estava decidida a acabar com tudo. Todas as tentativas já tinham sido feitas. Ela não tinha mais recursos a recorrer. Tentara se impor, se rebaixar, discutir, ignorar. Nada funcionara.

De certa forma tinha se conformado, a seu modo, é claro. Conformismo não era uma palavra ou atitude do seu repertório. Ao invés de investir no seu casamento ela voltara a investir em si própria.

Isso até teria funcionado se Valente continuasse a ser apenas o que era, um sujeito insensível. Pelo jeito, só isso não o satisfazia. Incomodado com a percepção de que ela era feliz apesar dele começou a beber mais, a culpá-la por fracassos que eram seus e a destratá-la em público. Naquela tarde ele tinha atingido o seu auge.

Sílvia ligou para Andrea e contou tudo que Valente tinha feito com ela, disse que ia falar com ele em seguida. Andrea pediu que ela tivesse paciência, ele estava bêbado e poderia ser perigoso. Além disso, três dias depois seria o casamento da filha deles.

Sílvia concordou e disse para Andrea que iria fingir que tudo estava bem. A amiga não se conteve e soltou uma gargalhada:

"- Você?? Fingir?? Você nunca conseguiu fingir nada..."

"- Mas eu aprendo..."

"- Como se esse seus olhos permitissem! Sou capaz de apostar que você não consegue fingir por 5 minutos, quanto mais por 3 dias."

"- Não sou de apostar, mas vou te surpreender, você sabe que eu sempre consigo fazer o que me proponho."

Andrea deu um longo suspiro, pediu que a amiga tivesse cuidado e se despediu.

Sílvia desligou o telefone, fechou-se no banheiro e, diante do espelho, ficou ensaiando expressões que não indicassem seu estado de espírito.

No dia seguinte Andrea acordou cedo pensando em ligar para Sílvia. Nem precisou. Quando chegou na cozinha seu celular indicava uma nova mensagem, era dela:

"- Conversei com ele. Acabou."

Ligou para Sílvia que estava tranquila apesar da situação. Falar com Valente tinha tirado um peso da sua alma, o que não a poupou de ouvir de Andrea:

"- No dia em que você aprender a fingir eu vou ter a certeza que o mundo acabou."

3 comentários:

clau disse...

Pois é...
O mundo se faz pleno de Valentes, Silvias e Andreas com estorias similares a esta sua, que tem um toque tao real.
Bjs!

Vilma Mello disse...

Muitos Valentes e muitas Silvias por aí, Que pena...

Beijos de terça

Arimar disse...

Fabio.
Comentário 1:Penso que foi um final feliz.E o casamento da filha?

Comentário 2:Lamentavelmente nos dias de hoje, sinceridade e insanidades caminham juntas ou paralelas, não sei.


Beijos.
Arimar