segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Eu moldura, ela pintura

Se a noite está escura
Difícil o caminhar
Sua mão vai me guiar
Eu moldura
Ela pintura

Seja tempo de clausura
Esperança se apagar
Sei como chegar
Eu moldura
Ela pintura

Se há risco de ruptura
Sem brilho no olhar
Sua voz a iluminar
Eu moldura
Ela pintura

Se não houver cura
Algum mal me atacar
Não me deixa desabar
Eu moldura
Ela pintura

O amor sempre perdura
Infinito além do mar
Eterno apaixonar
Eu moldura
Ela pintura

6 comentários:

avillez disse...

Fábio, gostei do poema.

Vilma Mello disse...

Gosto quando você escreve poesia... Ficou bonito.

Beijos

Roberta Avillez disse...

gostei muito do poema, trabalhando com a ideia de complemento: eu moldura, ela pintura. Parabéns pela poesia!

Fábio Adiron disse...

Que beleza...família Avillez visitando o Mens Insan, bem vindos primos!

Chris Rodrigues disse...

Que venham mais poesias!

Bel disse...

Preciso MESMO dizer que adorei a figura??? ;)