sábado, 27 de junho de 2009

Conticulóides desastrosos

Solecismos

Andréa era professora de português. Amava de tal forma João que jamais implicou com os seus constantes erros gramaticais. Seus colegas e alunos não se conformavam com esse estranho romance. Um dia descobriu que ele a estava traindo com uma colega etimologista. Matou-o com três tiros. Tolerava barbarismos, mas não essa barbaridade.

Sismos

Encontrá-la foi como se o chão tivesse se aberto debaixo dele. Todas as suas certezas, todos os seus hábitos e todos os seus paradigmas ruíram repentinamento e ele se deixou levar pelo calor da lava no centro da terra. Mas foi expelido numa erupção de fúria e, cristalizando-se, tranformou-se apenas numa rocha inerte.

Terrorismos

Marcela era irritantemente ciumenta. Nem com todo o amor do mundo Sílvio sabia mais como lidar com isso. Apelou para o sarcasmo. Cada vez que ela lhe perguntava algo ele respondia com brincadeiras a respeito de suas outras 18 namoradas. Ela tinha ganas de enforcá-lo mas não se deixava vencer. Um dia ele acordou algemado, amarrado à cama e sufocado por gás lacrimogênio. Mas não entregou nenhum nome.

Abismos

Manoel sabia que a distância que o separava de Amélia era monumental. Os contrastes entre os dois eram insuperáveis e, por mais que ela se esforçasse para não reforçá-los, eles apareciam a todo momento. Um dia Manoel chegou transformado. Tomara um banho de loja, fizera um curso sobre música clássica e comprara um monte de presentes do gosto dela. Quando viu aquilo Amélia levantou e foi embora. Não podia suportar tanta perfeição.

Um comentário:

clau disse...

Nossa Fabio...
Estes seus solecismos, sismos,terrorrismos e abismos, todos eles, sao de um tal realismo!...

Pobre do Manuel...
Bjs!