terça-feira, 29 de abril de 2008

Banqueiros afogados

Numa história que circulou na maioria dos jornais há alguns anos, cinco funcionários da área de investimentos do Barclay’s Bank , em Londres, foram demitidos por terem gasto cerca de US$63.000 ( isso mesmo que você leu, sessenta e três mil dólares – ao câmbio de hoje, cerca de 100 mil reais) em um jantar, no famoso restaurante Pétrus.

Certamente não foi a comida que custou tudo isso, aliás, o restaurante nem quis cobrar os pratos servidos, mas uma coleção de vinhos raros que foram consumidos durante o jantar. O jantar começou com um vinho “menor”, um Montrachet não especificado de 1982 ou 84, continuou com três garrafas do raro e caríssimo Château Pétrus , safras 1945, 46 e 47. Com a sobremesa beberam uma centenária garrafa de Château d'Yquem , provavelmente safra 1900 ou 1901.

Os vinhos realmente eram considerados excepcionais , os anos de 1945-47 são considerados os melhores do Pétrus, o que não os poupou do escândalo de terem pago muito mais do que os vinhos realmente valiam. Segundo publicações especializadas como a Wine Spectator , a garrafa de 1947 pela qual pagaram $17.500 poderia ter sido comprada nos leilões do ano passado por cerca de $2.500. Pela de 1945 pagaram $16.500 , valia $4.600 , a de 46 valia $3.150 mas, no restaurante, custou $13.400. Caso o Yquem fosse de 1900, valeria $1.750, se fosse de 1901 , $1.125, o preço pago foi de $13.100. Nem é o caso de discutir o pobre Montrachet. A margem de lucro do restaurante foi superior a 500 por cento , o que é um abuso mesmo para os padrões dos restaurantes mais chiques do mundo.

Evidentemente existe dinheiro , mas também existe “dinheiro’ – qualquer pessoa ao correr os olhos pela carta de vinhos de um restaurante sabe a diferença. Preços de dois dígitos é o que a maioria de nós aceita (ou pode) pagar por um vinho. Numa ocasião muito especial talvez cheguemos a 3 dígitos, sendo o primeiro bem baixinho. Acima de 4 dígitos, nem pensar.

A margem de lucro dos restaurantes com vinhos geralmente é de 100%. Alguns um pouco mais, outros raros um pouco menos. Os custos de estoque e de manutenção ( que os restaurantes sérios certamente tem) justifica uma parte dessa margem, principalmente nos vinhos mais caros e de menor saída. Os restaurantes que praticam preços mais baixos normalmente tem acordos de consignação com algum importador (em troca de divulgar o seu nome) e, não tendo o custo de estoque podem vender mais barato.

Quem gosta de beber vinhos em restaurantes e está disposto a bancar essa diferença pelo serviço e pelo conforto deve pelo menos ter uma noção geral dos preços praticados pelos importadores ou pelo varejo para não correr o mesmo risco dos banqueiros ingleses e mais do que pagar um belo mico, ter uma redução significativa na sua conta bancária. Quando quiser beber um vinho de 3 ou 4 dígitos é mais saudável procurar diretamente o importador onde a mesma garrafa vai custar pelo menos a metade do preço.

2 comentários:

malmal disse...

3 ou 4 dígitos? eu hein..não tô podendo, aliás nunca pude, mas será que a degustação vale tanto a poto de se perder um emprego?

sei não...

bijok

Juliana disse...

Quando você chegar nos 4 dígitos me avisa e me convida.