quinta-feira, 30 de abril de 2009

De A a Z

Amanda bateu cabeça, desde então fazia garatuja, hieróglifos incompreensíveis. Jamais leu, mas não os provocava quando, repentinamente sentiu todo universo vir xingar zombarias.

Ainda bem, Carlos disse, e foi grampear hemerotecas. Indicava jornais, livros. Mais ninguém observava perigos que rondavam suas teses usando velhos xamãs zíngaros

Aquela banal consideração deveria estar finalizada. Grupos históricos iniciaram justas lamúrias mas, naquela ocasião patética quase recusaram suas teses ululantes xumbergando zeugmas

3 comentários:

Juliana disse...

Agora bastava colocar ditos estranhos florindo girassóis...e você continua o resto.

clau disse...

Interessante...!
Pq por coincidencia, e em um passado remoto, tb bati a minha cabeça e acabei desenhando alguns hieroglifos...
Preciso sò conseguir me lembrar do resto...rss
Bjs!

Bel disse...

Até bastava começar dizendo essas fantásticas grandes histórias, indo já levar meus novos ouvidos para qualquer redoma, sabendo trazer uma vez... ... ... xiiii... Zebrou!

Hahahahahahahah
Adorei a brincadeira.
Aliás, suas idéias linguísticas são demais!
Bjooo