terça-feira, 19 de agosto de 2008

Hai kais sobre um mote latino


Dubitando ad veritatem parvenimus. Cícero (De officiis)

Mesmo se duvido
Verdade nem sempre é
Porto de chegada

Ela olha e diz
Questiona meu desejar
Verosimilhança

Liberdade dei
Esta que nunca alcancei
Fonte a renascer

Rochedo no mar
Inventa todos matizes
Magia da cor

Dúvida verdade
Liberdade como o mar
Chega sem partir

*Haikai (Haïku ou Haicai) é um forma poética de origem japonesa, surgida por volta do século XVI, que valoriza a concisão. O haikai é a arte de dizer o máximo com o mínimo. Cada haikai capta um momento de experiência, um instante em que o simples subitamente revela a sua natureza interior e nos faz olhar de novo o observado, a natureza humana, a vida. O grande mestre haikaista foi Matsuô Bashô (1644-1694). É um poema de três versos, escrito em linguagem simples, sem rima, com dezessete sílabas poéticas (sendo cinco no primeiro verso, sete no segundo e cinco no terceiro).

Outras séries de hai kais nesse blog

4 comentários:

Bel disse...

Eita!
Eu não sabia do "detalhe" das sílabas!
Assim fica muito mais difícil!
(Tem certeza que tem que ser 7-5-7? Parece nome de boing...)

(Essa sai na antologia de agosto! kkkkkkk)

Vilma disse...

Cadê a sua liberdade? Anda precisando ser mais genoroso consigo...me dá medo sugerir isso para você (risos).

Fábio Adiron disse...

Bel, não é boeing por que é o contrário : 5-7-5

Vilma : eu sempre usufruo dela

Juliana disse...

Dezessete sílabas é o supra sumo da concisão.