sexta-feira, 30 de abril de 2010

Simples assim

Eduardo e Sônia não pararam o dia inteiro. Às vésperas do casamento ainda tinham muita coisa para resolver e uma infinidade de pequenas coisas para comprar para a casa.

Estavam num shopping center comprando toalhas, lençóis. Já tinham resolvido parte das miudezas de cozinha e ainda precisavam sair de lá e correr lojas de móveis.

Não almoçaram. Mal paravam para ir ao banheiro e, mesmo o café que tomaram foi em pé no balcão. As costas de Sônia já reclamavam, os pés de Eduardo também.

Nenhum dos dois reclamava de nada, por maior que fosse o esforço ou o cansaço, estavam realizando o grande sonho dos dois. Tinham a aparência de exaustos felizes.

De repente, no meio de um corredor, Sônia virou para Eduardo e disse apontando para um banco vazio:

" - Senta um pouco ali!"

Eduardo sentou-se. Ela sentou de frente para ele e não falou nada. Ele esperou um pouco antes de perguntar:

" - O que foi, meu amor?"

Ela balançou a cabeça indicando que não era nada. Continuou olhando fixamente para ele, um sorriso contido nos lábios, seus olhos brilhavam.

" - Está tudo bem?" Ele insistiu.

" - Está tudo ótimo amor, eu só queria ficar olhando para você um pouco."

Os olhos de Eduardo se encheram de lágrimas. Nunca na vida tinha ouvido uma declaração de amor como aquela. Ela também se emocionou com a reação dele.

Não precisavam falar mais nada.

Naquele momento tinham selado seus votos matrimoniais para todo o sempre.

5 comentários:

Vilma A. de Mello disse...

Chegou a doer aqui no peito... lindo demais

beijos

Lucila disse...

"Can you imagine us years from today, sharing a parkbench quietly..."

clau disse...

O bom de uma estoria é poder fazer a utopia parecer ao alcance da nossa mao!...
Bjs!

Elis Zampieri disse...

Soube que quando ja velhinhos trocaram juras de amor eterno. Ah! E trocaram de óculos também.

Bel disse...

E tem coisa melhor do que OLHAR pro amor? (Até tem, né? MAs isso aqui é um blog família!)

Bjo, bom feriado! (Tô na arrumação das malas!)