quinta-feira, 8 de abril de 2010

Emprego folgado

Marineide acertou os detalhes de salários, benefícios e horários com Ana Maria, sua nova patroa. Começaria a trabalhar na segunda feira seguinte.

A rotina não seria muito diferente do emprego anterior. Arrumar a casa todos os dias, fazer uma faxina mais pesada uma vez por semana, adiantar as refeições. Só não precisaria lavar e passar roupa, Ana Maria gostava de cuidar pessoalmente das roupas da casa.

Ainda estava conversando com Ana Maria quando Armando, o marido, chegou. Ele foi educado com ela e lhe deu as boas vindas. Em seguida olhou para a mulher com um jeito diferente. Ana Maria levou Marineide rapidamente para a porta e se despediu afobada.

Marineide não era uma empregada doméstica inexperiente, por isso estranhou bastante a dinâmica da casa. Nunca deveria chegar antes das 10 horas. Se chegasse era para esperar na rua. Sempre deveria ir embora antes das 5 da tarde. Nunca tivera um emprego tão light.

No entanto, o que realmente a surpreendeu era a frequência com que a patroa lhe dava folgas. Ana Maria chegou mesmo a comprar um celular para ela, para avisá-la caso não precisasse ir. Não poucas vezes foi dispensada logo depois do almoço.

Quando o telefone de Ana Maria tocava uma determinada música era quase certeza que Marineide iria para a casa mais cedo. Começou a pensar maldades a respeito da patroa. Até porque nunca mais encontrara seu Armando em casa.

Chegou a ponto de, um dia, Ana Maria chegar esbaforida, colocar um dinheiro na mão de Marineide e mandá-la almoçar fora, ela avisaria na hora que pudesse voltar para acabar de lavar os banheiros. Curiosa, ficou observando o movimento do prédio do outro lado da calçada. Tudo que viu foi Armando entrando na garagem.

Se não conhecesse a casa poderia pensar que Armando não era realmente casado com Ana Maria, mas até o álbum das fotos do casamento ela já limpara.

Resolveu desencanar e curtir suas folgas.

Um dia ganhou folga até a hora do almoço, só deveria chegar depois do meio dia. Foi o que fez.

Quando chegou junto à porta da entrada de serviço ouviu sons estranhos na casa. Percebeu que era Ana Maria que parecia estar sendo surrada. Entrou rapidamente para socorrer a patroa.

Encontrou Ana Maria e Armando nus em cima da mesa da cozinha, roupa espalhada por todos os cantos.

Foi fulminada pelo olhar furioso dos dois. Ana Maria tinha deixado vários recados no telefone de Marineide para que ela não viesse trabalhar.

Foi demitida por esquecer de recarregar a bateria do celular

4 comentários:

Raquel disse...

Essa é a famosa " dupla dinâmica"

Vilma Mello disse...

hahaha,que falta de educação, bem que ela podia ter batido na porta...

beijos de quinta feira

clau disse...

Perder um emprego assim...
Mas, para a gente, o legal é saber que a vaga, agora, esta disponivel! rss rss
Bom fim de semana, Fabio.
Bjs!

Fábio Adiron disse...

Raquel: põe dinâmica nisso

Vilma: bateu na porta errada

Clau: manda o CV