segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Em busca do Graal

No tempo ancestral dos sonhos, de um reino outrora obscuro e pequeno, tornaste-te princesa.

Os becos sujos da alma converteste em alamedas floridas. Perfumadas.

Teu sorriso abriu as portas dos cômodos e incômodos trancados. Envergonhados.

A melodia da tua voz era como o primeiro raio de luz da manhã. Nas tuas mãos o brilho dos cristais.

Hoje as flores sentem a tua ausência, e do perfume que as fez negar seus próprios aromas.

A água das fontes resseca por não poder tocar tua pele e os pássaros aguardam teu comando para cantar.

Soberana desse reino, todos teus súditos esperam o teu retorno das cruzadas.

Enquanto lutas pelo cálice de fogo e sangue, o reino treme de saudades, paralisado.

Com o olhar fixo na estrada pela qual voltarás envolta em nuvens e espuma.

Chegarás portando o Graal e assumirás o trono que a ninguém mais pertence.

Para sempre.

5 comentários:

Arimar disse...

Fábio.
Estou preocupada. Não há sobreviventes de ontem? Será que me salvei por falhas de alfabetização?
Vou aguardar!
À noite postarei meu comentário de hoje.
Pode postar duas vezes no mesmo dia, ou tem limite?
Beijos temerosos

Vilma A. de Mello disse...

Símbolos me fascinam... muito lindo

beijo de segunda feira a tarde

Elis Zampieri disse...

A coisa mais linda que li nos últimos tempos, E só.

Arimar disse...

Fábio.
Lindo demais!!!!!

Taty disse...

Ah, isso foi lindo!