quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Anauê

Antes de mais nada gostaria de esclarecer que não sou filiado a nenhum partido político, nem sou eleitor habitual de nenhum deles, pelo contrário, já há alguns anos só tenho votado em uma candidata para vereadora e que, no momento é candidata a deputada federal. Cada dia aumenta mais a minha convicção que a dita democracia representativa não me representa em nada.

Não acompanho a campanha eleitoral desse ano, exceto pelo noticiário do jornal que leio. Não pretendo votar na Dilma, nem no Serra, muito menos na coleção dos micro candidatos. Nenhum deles, por motivos diferentes, me parece adequado ao cargo que disputam e eu sempre fui contra o voto útil.

Também não acho que o governo atual seja grande coisa, é uma mistura de liberalismo econômico tucano, com demagogia assistencial peronista e aparelhamento partidário do estado. Não deixo de reconhecer algumas de suas realizações, especialmente numa área que me diz muito que é a educação inclusiva, definitivamente provocaram uma revolução positiva.

No entanto, o que tem me incomodado muito nessa campanha é o desespero da classe média diante da perspectiva iminente de uma vitória governista ainda no primeiro turno. Pessoas que arrotam democracia, desde que a maioria seja a deles, não a do oponente. E apelam para a ignorância.

A maior delas é a distribuição por e-mails e redes sociais da ficha político criminal da candidata do PT. Esses democratas de araque usam o indiciamento do DOPS como propaganda como se o centro da repressão da ditadura fosse uma fonte confiável e honesta. E não me venham dizer que são pessoas desinformadas que não sabem o que era o DOPS, que desconhecem que muitos morreram e foram torturados nas suas celas.

Portanto são pessoas que concordam com as práticas da ditadura e, por isso, entendem que quem foi preso e perseguido durante a vigência da "gloriosa" não tem a ficha limpa (omitindo, é claro, que o candidato da oposição também era um agitador da Ação Popular na mesma época). Só falta ressuscitarem a marcha pela família e dizer que esse comunistas comem criancinhas. Nem Plínio Salgado (não confundir com o candidato Plínio Sampaio) faria melhor. Devem todos ser eleitores do defunto Coronel Erasmo Dias e do Jair Bolsonaro.

"Desqualificar a pessoa" é um truque de argumentação erística que consiste em atacar um indivíduo enquanto tal em vez de apontar os erros do seu discurso, quando não existem mais argumentos que sustentem a sua tese. Na Grécia antiga a erística era a arte de vencer o adversário num debate. Ao contrário do diálogo filosófico, que usava a dialética com a finalidade de estabelecer a verdade, o uso da erística visava superar o adversário. Era um método usado pelos sofistas nos debates públicos tanto na esfera política, onde era preciso convencer a assembléia, quanto na esfera judicial para convencer os juízes da justiça de uma causa. Não importava se a causa era justa ou não. Os sofistas eram capazes de defender com igual bravura um argumento e o seu oposto. No Brasil de hoje a erística é usada amplamente na mídia, na política, na justiça, no trabalho e também na vida cotidiana. Feio é perder e para superar o outro são capazes de tudo. Pouco importa a verdade, o que importa é vencer.

Da minha parte, tenho aproveitado esse momento para filtrar meus contatos pessoais. Não é esse o tipo de gente que pretendo ter como amigo ou contato de rede social.

Faltando pouco mais de 15 dias para as eleições, vou dar uma limpada nas minhas listas, antes que comece a receber mensagens bradando Anauê!

*Por motivos óbvios a imagem desse texto está publicada à direita de quem lê.

Descrição da imagem: um homem de camisa verde prega na parede o símbolo do integralismo, no poster lê-se o termo Anauê (que quer dizer "meu irmão" em tupi-guarani)

10 comentários:

Arimar disse...

Fábio.
Das tantas coisas ridículas que acontecem, uma delas é quando a gente recebe um desses e-mails cretinos, telefona para saber o que está acontecendo, e escuta:
"Apenas repassei"
Só imagine o que eu mando "repassar".
Beijos

Vilma A. de Mello disse...

Até me arrepiou

beijos de quinta

jayme serva disse...

É o primeiro texto lúcido que leio sobre esse assunto nos últimos meses. Irrepreensível.
Abraço,
Jayme

Cristiana Soares disse...

"Da minha parte, tenho aproveitado esse momento para filtrar meus contatos pessoais".

Exatamente o que estou fazendo.

Taty disse...

É por isto que eu gosto da cultura dos índios: no final do dia, todos sentam em voltam do fogo pra discutircomo foi o dia e, se há alguma desavença, vão para perto do fogo e limpam tudo pra dormir em paz. Infelizmente o homem branco faz o que quer da palavra, nunca vou esquecer do que ouvi de uma palestrante mexicana há muitos anos atrás: quando você grita ou ofende o outro, você está gritando e ofendendo o seu Deus.
E quanto a propaganda eleitoral, viva a TV a cabo e o Territorio Eldorado na Internet.
Beijos

Bel disse...

Ó, apesar de pregar o voto "de coração" (= votar em quem a consciência manda sem pensar na "falta de possibilidade de ganhar") e assumir o voto "verde", eu acho que não estou enchendo o saco de ninguém com isso não. Fiz UM único post, e mandei via e-mail UM vídeo de Ana Carolina lendo um texto de Elisa Lucinda (intitulado "Só de Sacanagem"). Será que mandei pra vc e vc já me deletou??????

#MEDO

Raquel disse...

"Anauê" !!!!Eu estou com você!!!!!

Rejane Martins disse...

Tua lucidez superou a tua deliciosa insanidade. Confesso, sem pudor, que invejo teu texto! Queria ter escrito cada linha do que li aqui!! Parabéns total!

clau disse...

Uma tristeza tudo isto...
Bjs!

Luciano disse...

Concordo em grande parte com seu post, não vejo muito desespero da classe media, pois foi uma das mais beneficiadas por este governo, não vejo a Dilma com bons olhos, acho que o PT tem nos seus quadros candidatos melhores, como Suplicy por exemplo, mas escolheu uma candidata de facil manipulação. Sou contra o voto util, voto conciente, voto Marina Presidente.