sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Um sonho

Todas as noites, ao deitar, Alexandroff saia de si mesmo e vagava pela vielas escuras das almas alheias.

Não era um ser do mal, apenas um observador atento dos sonhos que invadia.

Percorreu delírios, pesadelos, desejos reprimidos, angústias e fantasias.

Nunca se envolvia em nenhum deles, algumas pessoas invadidas acordavam com a lembrança de um personagem que observava tudo e nada fazia.

Do seu lado, ele não tinha sonho nenhum, apenas os dos outros.

Durante anos a situação se repetiu. Se alguém lhe perguntava se ele sonhava ele dizia que não lembrava de nada.

Numa noite de fim de verão, Alexandroff entrou num sonho que o encantou e, sem perceber foi capturado pelo mesmo.

Pensou que era muito arriscado deixar-se participar da história daquele sonho, mas não conseguiu, ou melhor, nem se esforçou para não ser capturado.

Percebeu que aquele era o sonho que ele nunca tinha sonhado, que era tudo que queria na vida.

Naquele dia deixou de vagar pelas ruas e invadir outros sonhos. Voltava todas as noites para o mesmo espaço onírico.

Notou que cada vez mais precisava do sonho e que, reciprocamente, o sonho não poderia mais existir sem ele.

Quando o enredo se tornava turbulento e convulsivo, mais ele entendia que sua existência era fundamental para que o sonho continuasse.

Fossem quais fossem as circunstâncias da trama ele sempre acordava cheio de energia quando a voz do sonho dizia que, por aquela noite, era tudo.

Tudo que Alexandroff espera é pelo dia em que deixará para trás tudo que foi e finalmente será só um ser em um sonho.

6 comentários:

Raquel disse...

eu quero mesmo,de verdade,é conseguir dormir...nem preciso sonhar.

clau disse...

Ah...isto aqui daria muuuuito pano para manga, Fabio.
Pq esta sua idèia é ainda melhor do que aquela daquele filme frances, do qual nao me lembro o nome, sorry...!rss
Bjs!

Vilma A. de Mello disse...

Que bom que são sonhos e não pesadelos, sonhar é muito bom...

beijos de sexta feira

Taty disse...

Adoro os sonhos! Sonhos imaginários, sonhos oníricos, pesadelos.....e o melhor é quando os sonhos se tornam realidade.....Bom dia pra você e bons sonhos pra esta noite. Beijos

Lberaldo disse...

Amei o pequeno grande conto. Também eu às vezes tenho a sensação de que vaguei por algum sonho alheio. Parabéns!

Anônimo disse...

Fabio.
Só espero que Alexandroff não venha ver meus sonhos, rs rs rs .
Beijos.
Arimar