segunda-feira, 8 de março de 2010

Pão de fada

Que me acompanha nesse blog sabe que eu sou, historicamente, um desastre quando resolvo fazer pão. O único que salva a minha pele das críticas arrasadoras que eu mesmo me faço é o pão de queijo (deve ser por conta dos 50% de sangue mineiro que eu tenho).

Por outro lado, é verdade que eu não desisto. Experimento todas as receitas novas que me surgem. Foi o que aconteceu.

Uma fada veio até mim e disse que ia fazer "morning buns" e me contou o segredo da magia me levando até a terra encantada da receita. Não só a receita, mas a forma de fazer passo a passo em video. Como incentivo adicional, ela mesmo fez uma fornada e me mostrou como ficaram.

Não resisti. Fui até o supermercado. Nessa terra encantada obtive os ingredientes que me faltavam. Uma voz me guiava pelas gôndolas.

Voltei para casa ainda sobre o impacto do encantamento e, literalmente, coloquei a mão na massa. Em cada etapa do processo eu sentia como se as sementes de gergelim fossem o pó mágico da Sininho.

Com toda essa ajuda externa só havia um resultado possível. Os pãezinhos ficaram ótimos. Podem experimentar a receita. Infelizmente só não posso ajudar com a parte encantada.

Pães matinais
(Morning buns)

Ingredientes

500g de farinha de trigo
Uma pitada de sal
Uma colher de sopa de manteiga
Uma colher de sopa de açúcar
Um tablete de fermento biológico (15g)
1 gema
275 ml de leite

Para a finalização
1 ovo batido em duas colheres de sopa de água
Sal grosso
Gergelim

Modo de fazer

Numa batedeira com as pás próprias para pão misturar todos os ingredientes em baixa velocidade por 5 minutos. Quando a massa estiver consistente bater por mais 3 minutos em velocidade média.

Tirar da batedeira, sovar a massa e colocá-la, coberta por um pano num local seco e morno. Deixar crescer por 30 minutos.

Sovar novamente a massa para tirar as bolhas de ar. Dividir em pedaços e formatar os pães.

Cobrir novamente e deixe crescer por mais 20 minutos.

Colocar os pães numa forma. Pincelar com o ovo batido. Polvilhar um pouco de sal grosso e um pouco de gergelim

Assar em forno médio( 200º C), pré-aquecido, até os pães ficarem dourados.

Como eu sempre associo pães à poesia, fica a minha preferida do tema, para a minha fada

SONETO XLVIII - Pablo Neruda

Dos amantes dichosos hacen un solo pan,
una sola gota de luna en la hierba,
dejan andando dos sombras que se reúnen,
dejan un solo sol vacío en una cama.
De todas las verdades escogieron el día:
no se ataron con hilos sino con un aroma,
y no despedazaron la paz ni las palabras.
La dicha es una torre transparente.
El aire, el vino van con los dos amantes,
la noche les regala sus pétalos dichosos,
tienen derecho a todos los claveles.
Dos amantes dichosos no tienen fin ni muerte,
nacen y mueren muchas veces mientras viven,
tienen la eternidad de la naturaleza.

5 comentários:

Arimar disse...

Fábio.
Você costuma colocar essas receitas que dão fome, justamente nas horas que sento para trabalhar.(1h.)
É covardia!!!!
Ainda bem que o testo é mágico, a poesia linda e a noite uma criança.
Beijos.

Arimar disse...

Ops.
Corrigindo antes que o dia amanheça.
Aqui é teste, aí ´TEXTO

Vilma Mello disse...

Que pães bonitos e essa poesia é linda demais

beijos de segunda feira

Bel disse...

A poesia é perfeita. Já a receita... Só se a fada viesse fazer enquanto eu durmo, pra já acordar com o cheirinho do pão no forno...
;)

Fábio Adiron disse...

Arimar, que culpa eu tenho se você resolve trabalhar de madrugada??

Vilma: os pães eram bonitos, não sobrou nenhum

Bel: tu é mesmo muito bahiana...hehehe