quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Contículos boreais

Andrômeda

Seus pais nunca lhe deram muito valor. Mesmo assim a ofereceram a um monstro, em troca de favores pessoais e financeiros. Não contavam que um desconhecido que aparecera na cidade a salvasse do seu destino minutos antes de se consumar o casamento arranjado.

Lira

Os sonhos onde ele navegava eram tão brilhantes que a incomodavam todas as noites. Não conseguindo acompanhá-lo em seus delírios, acusou-o de negligenciar o sustento da casa e saiu carregando os filhos. Nunca entendeu que ela era o seu norte e o alimento da sua imaginação.

Perseu

Sabia que ela era perigosa. Ouvira histórias de outros homens que se perderam por seu olhar, mesmo assim resolveu enfrentá-la. Vencida ela se descabelou toda e não conseguiu impedir que ele fugisse com a primeira que encontrou no caminho de volta para casa.

Ursas: maior e menor

Eram lindas e inteligentes. Deveriam ser objeto de desejo de todos os rapazes da cidade. No entanto, ninguém sequer as flertava. Todos sabiam que a gelidez de ambas era muito maior que os boatos a respeito.

Corona Borealis

Ele leu. Pasmou. Leu de novo. Não poderia ser aquilo. Faz um cópia que carregou para cima e para baixo e tentou descobrir alguma entrelinha misteriosa que desdissese o que tinha entendido. Só se acalmou quando assumiu que, mesmo sendo tão bom, era verdade.

4 comentários:

Vilma disse...

Gostei do último, não sabia que constelações andavam para cima e para baixo com cópia no bolso, rs...
Talvez o trabalho que ele teve para tentar desdizer tenha o sido o mesmo que ela teve para não ocultar nada...vai saber...

bete pereira da silva disse...

Constelações falantes dá um belo desenho animado.

MamaNunes disse...

Bendita imaginação!!!
um abraço!

clau disse...

...formaram como que fotogramas na minha mente. E eu achei bem bonito imagina-los!
Bjs!