quarta-feira, 29 de agosto de 2007

Hai Kais sobre um tema proposto


Não posso sonhar
Como se chuva fosse
Primeira rosa

Não devo cantar
Letra morta sem calor
Silenciosa

Não preciso ver
Teu gelado desprezo
Falaciosa

Não mereço ser
Relâmpago nas costas
Impiedosa

Não quero pensar
Por uma névoa fugaz
Felicidade


*Haikai (Haïku ou Haicai) é um forma poética de origem japonesa, surgida por volta do século XVI, que valoriza a concisão. O haikai é a arte de dizer o máximo com o mínimo. Cada haikai capta um momento de experiência, um instante em que o simples subitamente revela a sua natureza interior e nos faz olhar de novo o observado, a natureza humana, a vida. O grande mestre haikaista foi Matsuô Bashô (1644-1694). É um poema de três versos, escrito em linguagem simples, sem rima, com dezessete sílabas poéticas (sendo cinco no primeiro verso, sete no segundo e cinco no terceiro), e com uma referência à natureza expressa por uma palavra (o chamado kigô), que deve representar também a estação do ano.

6 comentários:

Pessoa Comun disse...

interessante a insanidade, me parece tão suave e verdadeira hahha. gostando do que leio aqui...

bijim

Taty disse...

Não posso sonhar
Não devo cantar
Não preciso ver
Não mereço ser
Não quero pensar

Como se chuva fosse
Letra morta sem calor
Teu gelado desprezo
Relâmpago nas costas
Por uma névoa fugaz

Primeira rosa
Silenciosa
Falaciosa
Impiedosa
Felicidade

Taty disse...

By the way.....adorei a foto...um momento sombrio em que se sabe que este dará lugar ao claro, caso seja uma manhã.
Agora, se o sombrio der lugar à noite...só um bom vinho pra compartilhar.

Vilma disse...

A morte é sempre uma saída, poética talvez , mas, não deixa de ser morte... e, depois dela, não dá pra ver a rosa...

Fábio Adiron disse...

Depois da morte...rosas só no túmulo...

Marta disse...

Aqui vai um Haikuaz, copiado do Hamilton Faria

TRANSCENDÊNCIA

Mistérios
abrem portas
à existência

Carinho,

Marta