quinta-feira, 21 de abril de 2011

O segredo

Marcondes era um homem sensível. Sensível demais para alguns que não o consideravam tão homem assim.

Gostava de ler poesia, de assistir filmes românticos e se desmanchava em lágrimas ao ouvir os trios de Schubert.

Era adorado pelas mulheres, ainda que nenhuma delas nutrisse nenhuma esperança por ele, o viam apenas como um ótimo amigo.

Ninguém nunca esperou que ele surgisse com alguma namorada, até porque criam que ele guardasse alguma dentro do armário.

Quando ele falava a respeito da busca do amor verdadeiro, da sua idealização da mulher perfeita, todos achavam que era puro exercício de retórica.

Não era.

O choque foi geral no dia em que ele apareceu de mãos dadas com Antonia. A mulher dos sonhos de qualquer homem.

Os mais céticos concluiram que aquilo era apenas jogo de cena, cortina de fumaça.

Os mais realistas percebiam a forma como eles se olhavam, apaixonadamente demais para ser só uma encenação.

Os homens discutiam o que é que Marcondes tinha demais para conquistar uma mulher daquelas.

As mulheres debatiam nos banheiros o que que aquele mulher tinha visto no Marcondes.

Não era beleza, não era dinheiro, não poderia ser apenas uma amante de poesia e boa música, isso não sustentaria o namoro.

Ninguém se arriscava a perguntar e Antonia era discreta demais para deixar transparecer alguma coisa (uma das qualidades da mulher perfeita, diga-se de passagem)

Até o dia que Henrique não resistiu e puxou Marcondes de lado e lhe perguntou o que ele tinha feito para encontrar aquele monumento de mulher.

Marcondes, perplexo, respondeu a verdade. Não fazia a menor idéia.

Disse que um dia a encontrou numa festa e quando olharam um para o outro entenderam tudo.
Henrique insistiu para saber o segredo do amigo.

" - Segredo? Nunca tive segredos. Apenas sou uma pessoa que gosta de ouvir e entender quem está comigo, e tratar a pessoa de acordo com suas necessidades e desejos. Será isso o segredo?"

Henrique concluiu que sim. No dia seguinte contou para todos os outros homens.

A decepção foi geral.

Não com Marcondes, a quem consideravam um premiado na loteria, mas consigo mesmos.

Passariam o resto da vida se mordendo de inveja.

5 comentários:

Taty disse...

Um homem assim deve ser guardado a 7 chaves e ser cuidado com todo amor e carinho.

Virginia Susana disse...

Concordo plenamente com a Taty...

Vilma A. de Mello disse...

Muito lindos os dois: Antonia e Marcondes.

Bom dia!!!

Arimar disse...

Fabio.

Deveriam existir mais Marcondes e Marcondas, para ouvir um pouco mais as pessoas.
Adorei.
Beijos.
Arimar

Rubinho Osório disse...

"...tratar a pessoa de acordo com suas necessidades e desejos..."
Em verdade vos digo: o Marcondes não existe, é ficção!!!!