segunda-feira, 18 de abril de 2011

Casamento grego

Antonio já era professor de matemática num colégio particular há alguns anos quando descobriu que qualquer pessoa alfabetizada e com documentação em ordem poderia ser juiz de paz.

Não teve dúvidas, se candidatou ao cargo, foi eleito e assumiu os casamentos do seu distrito, no cartório do bairro cujo tabelião tinha sido seu colega de escola.

A diferença de Antonio para outros juizes de paz é que ele fazia questão de conversar com os nubentes alguns dias antes da cerimônia.

Bom analista da alma humana, ele identificava nos noivos se o casamento era por amor ou não e quanto que iria durar.

Tão bom que, no decorrer dos anos, o tabelião começou a tabular as datas de casamentos e divórcios dos noivos de Antonio. A margem de erro era quase nula.

Como matemático, começou a atribuir código que apostava junto à sua assinatura nas certidões de matrimônio, todos em letras gregas.

Casais equilibrados e sensatos recebiam de Antonio o Σ . O casamento tinha qualidades que se somavam e, mesmo sem emoções, seria um casamento duradouro.

Outros, pelo contrário não tinham qualidade nenhuma e o casamento tendia rapidamente ao zero, recebiam um ε

Quando percebia diferenças irreconciliáveis entre os noivos, esses eram carimbados com um δ

A maioria, no entanto, eram os casamentos por puro interesse, do noivo, da noiva, ou de ambos, a letra π era a que mais ilustrava as certidões.

Claro, ele também percebia quando o amor era amor mesmo, que superaria diferenças, dificuldades e problemas.

Poucas foram as vezes que usou a \infty , mas quando colocava, era com gosto.

6 comentários:

Jô Bibas disse...

Você sabe que Grécia me comove. Ótimo texto.

Taty disse...

Pensei que você começou a estudar o cirilico....

Vilma A. de Mello disse...

A matemática é sempre exata, seres humanos não, desconfio desse juiz. Bom dia!!!

clau disse...

Mas onde estava ESTE juiz de paz quando me casei...?!!!!
Pois muito teria me servido um assim, ja que o que fez meu casamento era um "analfabeto".
Hihihi!
Bjs!

Arimar disse...

Fábio.
Sabe que é uma boa opções para professores de matemática????
Favor passar o endereço do cidadão Urgente!!!!!
Beijos.

Bel disse...

Adorei! O juiz que me casou tava bêbado e cegueta, além de ter quase 100 anos e usar fralda descartável. E só agora que eu soube que qualquer um pode ser juiz de paz! Vou me candidatar!