quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Traje dos céus

Não é a primeira vez que eu cometo uma traição nesse blog, pelo contrário, sou um traidor contumaz como se pode ver aqui.

Também não é a primeira vez que traio Yeats, ele já me puxou as pernas à noite pelo que fiz com o vagante Aengus.

Dessa vez traio os seus sonhos, ou serão os meus?

Traje dos céus

Tivesse eu trajes tecidos nos céus,
Permeados de ouro e prata e luz,
O azul e o sombrio e escuro traje
De noite à noite à meia luz,
Lançaria sob teus pés minha capa
Mas pobre eu sou, só sonhos tenho
Sob teus pés lancei meus sonhos
Pise suavemente, caminhas em sonhos.

Anthony Hopkins em 84 Charing Cross Road também tinha devaneios com esse poema



O original é o seguinte


Cloths of heaven
William Butler Yeats

HAD I the heavens' embroidered cloths,
Enwrought with golden and silver light,
The blue and the dim and the dark cloths
Of night and light and the half-light,
I would spread the cloths under your feet:
But I, being poor, have only my dreams;
I have spread my dreams under your feet;
Tread softly because you tread on my dreams.

5 comentários:

Taty disse...

Vou dormir, terei bons sonhos....tenha também bons sonhos. Beijos e inté!

Vilma A. de Mello disse...

A palavra traição em suas letras tem ganhado um outro sentido... muito lindo
beijo de quinta feira

Arimar disse...

Fábio.
A Ezra Pound estava certa. É lindo.
Sem querer estragar a beleza da mitologia celta, mas vou resignificar minhas palavras e citações quando abordar o assunto "traição".
Beijos.

clau disse...

Eu acredito que se a traduçao tb vem com inspiraçao, pode ser que a emoçao daquilo que estava escrito continue a passar igualmente, para quem a le...
Bjs!

Rubinho Osório disse...

Fábio, tenho estado ausente dos comentários, mas continuo seguidor fiel das tuas traições e outros devaneios.
Abs