quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Crítica teatral

Alguns autores buscam em sua vida real ou imaginária os temas para desenvolverem suas produções artísticas. Esse fato é mais ou menos perceptível a cada novo texto e varia muito de autor para autor.

Por outro lado, existem escritores que conseguem extrair de fatos corriqueiros todo um edifício ficcional que beira o delírio lisérgico.

Esse é o caso da nova obra do teatrólogo galês Oso von Bach, o monólogo "Uma mulher exaltada", atualmente em cartaz no teatro da Aldeia Circular.

A protagonista, interpretada magistralmente pela atriz Elisabeth Bell estrutura-se sobre uma série interminável de pequenos fatos e cada uma das reações ensandecidas da personagem.

A forma como von Bach cria situações absurdas alterna momentos hilariantes e deprimentes. Nem na mais profunda alucinação de uma mente corroída por ácidos nefelibáticos tais situações beirariam sombras de uma existência factual.

O auge da peça e da interpretação de Bell acontece no momento em que ela descreve como se exaltou quando encontrou um cílio do marido caído dentro do box do banheiro e como o convenceu a passar goma arábica nos olhos antes de cada banho para que tal fato nunca mais se repetisse.

Seres como a mulher exaltada de von Bach certamente não existem e, se existissem, viriam de outros planetas.

6 comentários:

Vilma A. de Mello disse...

Deu até vontade de assistir essa mulher alienígina. Por aqui Vic jogou o telefone da Val no vaso sanitário...ainda não pensei sobre isso

Beijos de quarta

clau disse...

Que maravilha se poder dizer "Uma mulher exaltada"(mas como assim: sò uma...!?) neste mundo de exaltados em que vivemos!
Mas, a parte isto, penso que vou bem levar em conta, e com seriedade, a possibilidade do uso da goma arabica no dia a dia aqui de casa... rss
Bjs!

clau disse...

Em tempo:
Fabio, apesar de beirar a insanidade, vou aproveitar e lhe deixar, aqui tb, os meus melhores votos de "Boas Festas" para vc e todos os seu queridos, ok?
Com um Natal gostoso e um Ano novo pleno de momentos inesqueciveis de pura alegria e pequenas grandes coisas que valem a pena.
E tudo com as bençaos de Deus, muita saude e um tanto de serenidade.
Bjs!
Bjs!

Bel disse...

Ahá, acho que você não conhece alguns tipos de mulheres, absolutamente terráqueas, mas que podem muito bem se passar por alienígenas. Tudo é possível, meu caro, tudo é possível!

Aproveitando a deixa da Clau, mesmo este não sendo um post natalino, receba meu abraço especial de Natal (parece programa da globo, "especial de natal", ui!) e todo aquele bla bla la que se diz nessa época do ano. Mas é de coração. ;)

Bjoooo

Elis Zampieri disse...

Agradecendo suas costumeiras insanidades, desejar-te um ano novo inspirador como teus posts e sigamos abraçando nossa loucura antes que seja tarde.
Super beijo, super ano!
Elis

Taty disse...

Porque os homens sempre acham que as mulheres são exaltadas? Já conheci homens extremamente exaltados, que deixariam estas exaltadas mansinhas, mansinhas...