sábado, 23 de outubro de 2010

Sul para sempre



Meu olhos sempre estiveram voltados para o sul como se eu nunca tivesse um norte na vida.

O sul que me deu amigos de rara inteligência e de grandes discussões filosóficas e intelectuais.

O sul da Rejane, da Izabel, da Ana Mello. O sul do sempre brilhante Fabrício Carpinejar, que ontem fez aniversário.

O sul que me deu o som de Victor Ramil com suas estrelas solitárias e suas milongas plangentes.

O sul que mais ao sul me trouxe Borges e Cortázar. Amigos de todas as horas que moram nas minhas estantes e armários.

O sul que me ensinou a gostar dos tangos de Lesica e de Piazzolla

Meus olhos se voltam ao sul, imensa lua, céu ao revés.

Volto ao sul, para dele nunca mais sair.

Vuelvo al Sur,
como se vuelve siempre al amor
vuelvo a vos
con mi deseo, con mi temor
Llego al Sur
como un destino del corazón
soy del Sur
como los aires del bandoneón
Sueño el Sur,
inmensa luna, cielo al revés
busco el Sur
el tiempo abierto, y su después.
Quiero el Sur,
su buena gente, su dignidad,
siento el Sur,
como tu cuerpo en la intimidad.
Vuelvo al Sur,
llego al sur
te quiero

7 comentários:

Bel disse...

Poxa, não tem nadinha que te leve a olhar pro Nordeste??? HUMPF.

(tem resposta pro seu comentário sobre o cozido!)

PS- Adoro essa música, na voz de Caê, no CD Fina Estampa!

Arimar disse...

Fábio.
Muito lindo !
Agora, falando no seu sul, aqueles pezinhos dançando tango eram seus!
Reconheci pelos sapatos!!!!!!
Beijos.
Bom Domingo.

PALAVRAS&POESIAS disse...

Fábio, aqui no sul serás sempre bem acolhido. Agradeço também pela tua amizade e pelos textos que muitas vezes me inspiram.
Beijocas da Ana Mello.

clau disse...

Fabio acontece que, como eu sou uma que nao faço nem musica e nem versos, termino deixando esta coisa de norte/sul a cargo do meu GPS, pq a minha dimensao é bem outra.rssrss
Bjs!

Raquel disse...

Nossos instintos nos levam na direção dos nossos sonhos...tens uma alma sulista.

Virginia Susana disse...

VIENES de la pobreza de las casas del Sur,
de las regiones duras con frío y terremoto
que cuando hasta sus dioses rodaron a la muerte
nos dieron la lección de la vida en la greda.

Eres un caballito de greda negra, un beso
de barro oscuro, amor, amapola de greda,
paloma del crepúsculo que voló en los caminos,
alcancía con lágrimas de nuestra pobre infancia.

Muchacha, has conservado tu corazón de pobre,
tus pies de pobre acostumbrados a las piedras,
tu boca que no siempre tuvo pan o delicia.

Eres del pobre Sur, de donde viene mi alma:
en su cielo tu madre sigue lavando ropa
con mi madre. Por eso te escogí, compañera.

Elis Zampieri disse...

"Eu sou do sul, é só olhar pra ver que eu sou do sul, a minha terra tem um céu azul, é só olhar e ver, é só olhar e ver"

Beijos, de cá dessas bandas do sul.