sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Traição fosfórica

Quem está habituado a frequentar esse blog sabe que eu sou um traidor contumaz, já traí aos montes e quando me dá a coceira eu traio sem perdão.

Dessa vez a vítima foi Jacques Prevért e a sua caixa de fósforos. Não tenho direito a perdão.

Três fósforos

Três fósforos acesos um a um noite adentro
O primeiro mostra teu rosto inteiro
O segundo a refletir o brilho dos teus olhos
A iluminar tua boca o terceiro
E toda escuridão a me lembrar cada pedaço
Enquanto te acolho nos meus braços


Para quem prefere a versão original sem legendas, aí vai:

Trois allumettes une à une allumées dans la nuit
La première pour voir ton visage tout entier
La seconde pour voir tes yeux
La dernière pour voir ta bouche
Et l'obscurité tout entière pour me rappeler tout cela
En te serrant dans mes bras
(Jacques Prevért)

7 comentários:

Raquel disse...

...eu morro de medo de provocar um incêndio...vou só no tato...é mais seguro.

Vilma A. de Mello disse...

Que você se habitue a não ser perdoado, risos

Beijos de sexta

Arimar disse...

Fábio.
Será que é ousadia ou plagio, pensar numa Traição esqueirófica?
Beijos

Ana disse...

Essa é um boa traição, perdoável....rs

Rubinho Osório disse...

Eita, traição gostosa!!!

clau disse...

Hoje os tres fosforos de Prevért seriam, com certeza, substituidos pela luz do celular...rss
Bjs!

Taty disse...

Se eu fosse traída por um homem que me enviasse o que você postou, estaria perdoado na hora!