sábado, 8 de outubro de 2011

Nova descoberta científica

Uma das especialidades bizarras desse blog é a etimologia analítica cataclítica, ciência que estuda a origem de clichês de palidez cadavérica.

Depois de décadas de estudo dos xilógrafos da biblioteca de Alexandria, nossos pesquisadores descobriram a origem da famosa expressão "Jingle Bells".

Na segunda metade do século XIX, os dingos, espécie de lobo australiano, assolavam as fazendas de criação de ovelhas do sudeste do país.

Como os animais se reproduziam mais rapidamente que a capacidade ecônomica dos fazendeiros de comprar munição, foram desenvolvidos meios alternativos para manter os bichos afastados das deliciosas costeletas de cordeiro ao molho de menta.

Uma delas, seguindo a famosa fábula de Esopo, foi a de pendurar guizos no pescoço dos dingos, numa faixa de frequência sonora que assustasse as ovelhas. Sendo a Austrália um país que fala uma corruptela da língua inglesa, os guizos foram patenteados com o nome de "dingo bells".

Assim como na fábula, isso não resolveu o problema, uma vez que nenhuma ovelha quis se arriscar a pendurar o bell no dingo, e os estoques de guizos ficaram todos encalhados nas fábricas da Nova Gales do Sul.

Anos se passaram até que, durante os pós guerra, um grupo de publicitários que foram surfar no paraíso do surf, encontraram o velho galpão de guizos abandonado. Brincando com os produtos, um deles, chamado Pierpont, percebeu que tinham uma sonoridade muito parecida com o sino do papai noel que fazia ponto na Avenida Madison, em Nova York.

Como o publicitário tinha recebido a encomenda de um jingle de Natal para a Macy´s, ele comprou todo o estoque de "dingo bells" por uma ninharia, mandou gravar o nome da loja em cada um deles e colocou um batalhão de papais noéis distribuindo os guizos pelas ruas, enquanto cantavam o jingle dos bells.

A campanha fez tanto sucesso que a canção entrou para o repertório natalino americano e, depois, mundial. Tendo sido gravada desde Elvis Ozborne até pela dupla sertaneja-MBA (um universitário pós moderno), Tico-tico e Sabiá.

Atualmente, cada vez que a música é excutada, a Fundação Surinamense de Defesa dos Dingos recebe 1 centavo de dólar australiano, o que a faz uma das ONGs mais ricas do mundo, mesmo que nunca um dingo tenha sido visto em Paramaribo.

3 comentários:

Taty disse...

Ainda bem q os dingos estão a salvo! Me conta porque as renas do Santa Claus conseguem voar! Tenha um findi cheio de sons de bells. Beijos

Arimar disse...

Fábio.
Essa era a informação que eu buscava há anos.
Agora sim, posso conversar em rodas sociais com informações científicas corretas e de grande importancia para a civilização, rs rs rs .
Bom Domingo.
Beijos

Rubinho Osório disse...

"Corruptela de inglês"... Vc até que foi bonzinho!