sábado, 12 de março de 2011

14 linhas


Vida transformada nesse desejo
Intenso, doce, calmo e voraz
Recebe meu poema, minha paz
Grato te entregando um novo beijo

Início, sempre início, sem ter pejo
Nenúfar que uma noite quente traz
Idílio que nenhum temor desfaz
Aonde brilham olhos, onde os vejo.

Surpreendente foi tanto sentimento
Um só coração um só movimento
Sarando cada chaga do meu peito

Agora e sempre entrego meu respeito
Num arremedo pobre de terceto
A eterna surpresa deste soneto

3 comentários:

Raquel Jacobsen disse...

hum...eu tô sentindo um clima...e ele vai além das 14 linhas...

Taty disse...

Li e reli as 14 linhas...vi e revi a foto, lembrou O Morro dos Ventos Uivantes....fiquei em duvida sobre o que é mais bonito: os são perfeitos!

clau disse...

...huuum: ahm ham...Ok! rss
Mas, enfim...
Devo dizer que eu amei este "aonde brilham olhos, onde os vejo".
Bjs!