segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Praia imprópria para banhos


A praia é um dos espaços mais democráticos do mundo. Não distingue cor, raça, gênero, religião, nem qualquer uma dessas outras características idiotas que faz com que alguns seres humanos se achem melhores que os outros. Alguns podem usar roupas de banho melhor ou pior que os demais, mas nem os maiôs e as sungas permitem muito espaço de exposição de grifes

Claro que alguns acham que algumas praias sejam mais "seletivas" que outras, por terem acesso mais complexo, o que não impede que os pobres locais as frequentem. Não conheço praia no Brasil cujo acesso seja reservado (ainda que algumas construções tentem fazer isso), nem mesmo as praias de nudismo, desde que você esteja pelado, é claro.

A praia sempre é de todos, como a praça Castro Alves é do povo e o céu já foi do condor e do avião, atualmente não sei a quem a ANAC atribui essa propriedade.

O que não significa que qualquer pessoa deveria frequentar a praia. O local definitivamente é impróprio para pessoas ciumentas. Glúteos, coxas, tórax e seios em exposição permanente. Bronzeados, branquelos, malhados, tatuados, furados. Não que todos sejam agradáveis à vista, muito pelo contrário, a esmagadora maioria não o é, mas estão lá, à sua frente, atrás, dos lados, passeando, fritando, nadando. A presença de todo esse estímulo visual é torturante para a pessoa ciumenta que está acompanhada do seu amado ou amada. Venda de olhos não costuma ser um acessório usual no pedaço.

Mariazinha percebeu isso logo no seu primeiro dia de férias. Não era a primeira vez que ia à praia, mas nunca tinha ido antes com algum namorado. Godofredo não levou mais que alguns segundos para notar a fria em que tinha entrado. Mal colocou o pé na areia levou um tabefe no braço :

"- Está olhando o que ? Nunca viu uma loira na vida ?"

"- Que loira, Mariazinha ? A praia está lotada e você acha que eu estou reparando em alguém ?"

"- Safado ! Se não é a loira, então era aquela morena de olhos verdes com o piercing no umbigo..."

" - Onde ? Onde ?.....Aiiiiiiiiii.... para de bater fofinha."

" - Fofinha é a sua vó ! Só porque encontrou um bando de peruas malhadas. Está me chamando de gorda ?

" - Ai meus sais. Você quer que eu faça o que aqui ? Que ande de olhos fechados ? tem gente de tudo quanto é lado. Eu não estou reclamando que você virou a cabeça para olhar aquele surfista...

" - Não muda de assunto, está até com os olhos brilhando mais..."

" - É o sol, vou colocar os óculos escuros...aiiiiiiiiiii..."

" - Nem pensar ! Acha que vai me enganar ? De óculos eu não vou saber para onde você está olhando...

No dia seguinte, subiram a Imigrantes em silêncio. As férias duraram menos de 24h. O namoro durou mais três dias. E as marcas roxas na pele branco escritório de Godofredo só desapareceram completamente depois de um mês.

3 comentários:

Lucila disse...

Definitivamente não me encaixo no perfil ciumento. Mas, como vc bem disse, o espaço é democrático. Até os ciumentos têm direito a freqüentá-lo! Acho que aí vai uma generosa dose de masoquismo, mas cada um é cada um!!!
De novo, viva a democracia!!!
Beijos

Vilma disse...

É muito engraçado isso, eu passei por essa situação...estava à beira da praia olhando um jogo de bets( sei lá se assim que se escreve) onde jogavam 02 homens e 2 meninas,eis que de repente surge uma louca e começa a beijar um dos jogadores e olhar para minha cara como quem diz: esse é meu! tira o olho! quando me toquei, quase morri de tanto rir...eu estava apenas olhando o jogo enquanto minha filha dormia ao meu lado... ninguém merece! Acho que o namoro deles terminou como esse da crônica...quanto a mim terminei minhas férias na maior tranquiladade e nem teria me lembrando desse jogo e do rapaz se não fosse por essa cena...kkkkkkkkk

Vilma disse...

o ciumento faz da garoa um temporal e não quer que ninguém perceba...kkkkkkk