terça-feira, 29 de janeiro de 2008

Os melhores e os piores


Competição poderia ser algo saudável. Não é. O modelo competitivo da nossa sociedade tem sido tão exagerado que estamos beirando o ridículo da competição. Vai dizer que você não conhece várias pessoas que são tão ansiosas por parecem melhor que as outras que até a desgraça delas precisa ser pior que a sua ?

Você está com gripe. Ela vai dizer que já teve três pneumonias. Uma dupla. Se você teve pneumonia dupla, ela já teve tuberculose. Se a tuberculose é sua, ela tem ébola ou grupe aviária. Pior são aqueles que não conseguem ser melhores ou piores e apelam para a família até a 18a geração. Você quebrou o pé caindo da escada ? A tia-avó da concunhada dela caiu da escada, quebrou 4 costelas, o fêmur e teve uma concussão cerebral.

E o número desse tipo de pessoa anda aumentando exponencialmente. Entre numa rodinha de bate papo numa festa. Enquanto alguém não matar o cunhado de um primo em terceiro grau da ex-esposa ou ex marido o assunto não muda, cada um contando uma história pior que a anterior.

Quando é para ser o melhor também. Se você conta que foi num bom restaurante, o chato vai dizer que já comeu o mesmo prato melhor em Alésage-sur-chatte, uma vila desconhecida dos mortais na Martinica. Se você ganhou mil partidas de paciência em seguida no seu computador, o competitivo vai contar que tem um primo que já ganhou milhares de dólares jogando o mesmo número a noite toda num casino de Dubai.

Quer resolver esse problema. Mande esse seu amigo, ou amiga para Peruíbe. Além de ser a terra da eterna juventude, as caminhadas na praia servem para rebaixar qualquer pessoa. O cara se acha alto, vai passar alguém maior. Se vangloria da sua tatuagem tribal, vai passar uma mulher com um golfinho nas nádegas (não, não sei se tem alguma conotação fálica, não me arriscaria a perguntar). Acha que suas tranças são máximo. Vai passar uma louca com 8 tranças de um metro e meio cada uma. O competitivo morreria de tristeza.

Mas como o berço de Abarebebê tem de tudo o melhor e de tudo o pior, também é um ótimo remédio para amenizar complexos. Você se acha narigudo. Prepare-se para encontrar o Pinóquio depois de uma noitada de mentiras. Acredita que é muito branco, vai encontrar pessoas que tomam banho de cândida. Que se queimou muito ? Olha lá aquela mulher camarão à baiana que está vindo do outro lado.

Por isso deixo minha recomendação. Tem um chato (ou chata) na sua vida ? Manda para Peruíbe. Está se sentindo deprimido por alguma coisa que você não gosta em você ? Passe uma semana em Peruíbe.

Satisfação garantida ou um pastel de camarão na Pastelaria da Praça.

4 comentários:

Vilma disse...

Essa converseira toda sobre peruíbe... é porque você não deve conhecer Pontal do Pr, lá sim é que as coisas acontecem...hahahahahaha!

PS: Não me mande para Peruíbe, mande-me para Pontal!

Estrela disse...

Preciso ir para Peruíbe nas próximas férias. E, de já, sei que vou encontrar um cara mais de bem com a vida do que eu, rs! Um abraço.

malmal disse...

estou fretando um ônibus, não que sejam tantos os chatos de plantão, mas pra sobrar espaço pro ego dos meus convidados...

bijim, bom demais te ler again

Fábio Adiron disse...

Acho que vou pedir uma comissão para o departamento de turismo, quem sabe me pagam em camarão (se bem que estava num precinho bom, o médio a R$18 o kilo)