sábado, 15 de junho de 2013

Reflexões sobre a 5a feira 13


É sintomático que depois de 4 rodadas de manifestações em São Paulo (e a eclosão de outras no Rio, Porto Alegre, Maceió, Manaus, Belo Horizonte, Brasília)) nenhum, ou melhor, para ser mais exato NENHUM vereador, deputado, senador de NENHUM partido tenha se posicionado sobre o tema.

Nem o Suplicy que adora carregar faixas em manifestações para aparecer na capa dos jornais, nem o proto-partido da Marina que se autodenomina como nova forma de fazer política, nem a esquerda pseudo-radical do PSOL, nem a direita, nem o centro...todos de rabo preso com o status quo que está sendo questionado (se você acredita que a manifestação é por R$0,20 é melhor começar a se informar melhor).

Com a opinião pública dividida e a mídia, depois de apanhar na rua, começando a tender para a defesa das manifestações, estão todos esperando para ver de que lado eles ganham (ou perdem menos) votos.

Aqueles que se dizem representantes do povo não representam ninguém, não se colocam ao lado de ninguém, não se comprometem com nenhuma posição ideológica. Não assumem nenhum risco político.

Aliás, oss muitos relatos das agressões de 13 de  junho deixam claro que havia uma ordem muita específica de alvejar jornalistas ou quem parecesse ser jornalista (ou seja, que tivesse uma câmera ou filmadora na mão). A mesma mídia que até a 4a feira ainda defendia o governo que controla a polícia. (claro, investem milhões em publicidade nos seus veículos).

Também nenhuma palavra da ABI, nem do sindicato dos jornalistas, sempre tão ativo na hora de garantir a sua reserva de mercado de trabalho.

Só hoje, no sábado, depois de muita movimentação nas redes sociais é que começaram a aparecer, muito timidamente, algumas frases perdidas e, assim mesmo, com uma demonstração clara de que os políticos estão morrendo de medo de se comprometer.

Por falar em sindicatos...alguém ouviu falar de sindicatos? Nem o sindicato dos professores (que vive apanhando da polícia) abriu a boca. Claro, todos os nossos sindicatos estão apelegados a  algum partido. Todos os partido estão coligados ao PT (que detém a prefeitura de São Paulo), ao PSDB (que controla o governo do estado de São Paulo e a sua polícia) ou a ambos (a isso se chama "convicção ideológica" no dicionário político da pós-modernidade, no meu tempo chamava-se de fisiologismo mesmo)

Eu admiro esses meninos que estão indo às ruas, me lembro de quando eu mesmo fiz isso, só fico com um receio:

Nos anos 60 e 70 eram os militares que marchavam sobre as nossas cabeças.

Nos anos 80 marchamos pelas diretas já e acabamos recebendo como prêmio o Sarney.

Nos anos 90 os carapintadas saíram às ruas contra a corrupção e o prêmio foi o Itamar e depois os 8 anos (que deveriam ser 4, mas também foram comprados votos) de neoliberalismo tucano.

Nos anos 00 não fizemos nada e acabamos com o neoliberalismo e o velhocorruptismo que temos até hoje.

Meninos que marcham nessa década, por favor, não repitam os nossos erros.

4 comentários:

Kiki disse...

Concordo Fábio...mas acho que muitos de nós votamos no que havia de mais revolucionário na época, acreditando em mudanças profundas, mas infelizmente existe a armadilha da tal “governabilidade” e do apego ao poder...acredito que esses jovens não terão escolhas de partidos realmente novos e comprometidos com as mudanças estruturais importantes para o povo, como educação de qualidade, saúde de qualidade, etc...até porque teria que mudar tudo, as prefeituras, os governos estaduais, o legislativo e o judiciário...se eu pudesse dar um conselho a esses meninos, antes de envelhecerem, seria a vigilância constante... que não perdessem a vontade de se organizarem para reivindicar o prometido em campanha...nada como o medo da perda do poder para um político....

Taty disse...

A minha sobrinha tem carteirinha carimbada em todas as manifestações que ocorrem em SP, só que ela não faz parte do vandalismo e sim do pacifismo ( com a cabeça de estudante da USP, já que ela estuda lá ). Uma conheida que mora em Higienópolis viu a passeata dos vandalos pela janela, quando conseguiu abrir por um minuto e teve o prazer de sentir a fumaça do gás que os policiais usam e depois ver os proprios residentes apagando o fogo dos lixos e limpando a rua. Minha irmã, que estava dando aula na Angélica e estacionou o carro distante do local, precisou se esconder num prédio residencial senão hoje, talvez minha sobrinha estivesse sem mãe e eu sem irmã. E eu soube por um amigo que mora em Sorocaba, que a máfia dos donos dos onibus está por lá e que qualquer coisa ligada a transporte publico tem que passar pelo aval deles...Agora no que se refere a violência, acho que os policiais que atiram pra todos os lados são muito infelizes e frustrados e nesta hora mostram a "superioridade" do tipo sabe com quem está falando? Quanto aos partidos politicos, um tem rabo preso com o outro, como vão atacar o PT e depois dar os tapinhs "amigáveis" nas costas durante os eventos e outros encontros? Eu sou muito a favor das manifestações, mas ao ato do vandalismo,nem pensar!

Ronald Carvalho disse...

Adorei... Estou me divertindo, no bom sentido!!!


abraços!

José Carlos Stabel disse...

Impressionante a sua capacidade não só de escrever bem, mas de administrar o tempo em condições de em algum momento do dia (ou da noite) sentar-se à frente do computador e produzir textos tão legais.