quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Auto escola paulistana

Você é um motorista à moda antiga? Venha descobrir regras de trânsito que você desconhecia. Você é um neófito? Bem vindo à vida selvagem.

Se você é de fora de São Paulo, abaixo seguem umas dicas de como exercer suas habilidades sinesíforas na metróple.

Aqui nós temos uma instituição chamada CET, a companhia de engarrafamento do tráfego que, diferentemente do Tiririca (pior do que está não fica), tem como lema: "não há nada tão ruim que não possa ser piorado".

Caso você aviste os carros da CET organizando alguma coisa, pode ter certeza que o trânsito na região vai piorar muito.

Se você avistar seres vestidos de uniforme marrom, prepare-se, vai ser multado.

Se estiver dirigindo à noite, com chuva e os semáforos estiverem quebrados, pode ficar tranquilo, você não vai ver nenhum ser de uniforme marrom.

Em relação às práticas dos motoristas locais:

Caso você se depare com um radar limitando a velocidade a 60 km/h lembre que o carro na sua frente vai reduzir bruscamente a velocidade para 20 km/h. Essa regra é conhecida como a lei do terço.

Paulistano acredita que ultrapassar uma viatura da polícia é pecado mortal. Mesmo que ela esteja estacionada.

Ciclistas, motoqueiros e motoristas de táxi se acham acima das leis de trânsito. Espere qualquer coisa deles.

Caminhões de coca-cola ou de cervejarias tem direito a estacionar em qualquer lugar.

Usar seta é sempre um risco. Se você não der seta te xingam, se der, aceleram para não te dar passagem.

Aqui existe uma coisa chamada rodízio. É uma lei válida para todos os veículos, a não ser que você estiver enquadrado em uma das 2.387 exceções previstas na lei.

Não siga carros que estão usando GPS. Eles estão perdidos e vão brecar à sua frente em cada cruzamento ou bifurcação de vias.

E, principalmente, evite seguir à risca o código de trânsito, se fizer isso não vai demorar para um educado motorista paulistano te chamar de caipira.

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Tzarice

Piratas piravam em Piracaia
paravam em Paraíba
pulavam em Paulinía

Sobre as ondas
Sombras fundas
Sobrancelhas

Carrapetas pululavam
Carrapatos e ósculos
ciciavam.

Piratas pairavam em Paris
açodando em tapires mumificados
o adeus dos pintassilgos.